por Sidney Molina

Criado em 1990 pelo violonista e professor Henrique Pinto (1941-2010) e por Antonio Mário da Silva Cunha, diretor da Faculdade e Conservatório Souza Lima, o Concurso de Violão Souza Lima rapidamente começou a atrair candidatos de vários estados brasileiros, fato que se mantém até hoje.

Desde o início, o concurso teve como principal missão estimular – através da competição saudável e da troca de experiências entre participantes e professores – a prática do violão clássico por crianças e jovens, além de premiar também os trabalhos de música de câmara realizados com violão, o que ocorre nos tradicionais turnos I (até 11 anos), II (de 12 a 14 anos) e III (de 15 a 17 anos), da categoria solo, e também na categoria dedicada a duos, trios, quartetos e outros grupos de violões.

Para além dessa intenção primeira – eminentemente pedagógica –, o Concurso de Violão Souza Lima tornou-se também, no famoso Turno IV (sem limite de idade), da categoria solo, um espaço por onde passaram, ao longo de quase três décadas, alguns dos mais importantes violonistas brasileiros do período, muitos dos quais são hoje concertistas, professores e pesquisadores com carreiras consolidadas. Nesse turno máximo (a partir de 18 anos) a competição foi sempre muito acirrada, com provas de altíssimo nível técnico e artístico.

Assim, além de ser o mais tradicional concurso de violão do Brasil – e um dos mais longevos da área a nível internacional –, o Concurso de Violão Souza Lima tem sido também um degrau importantíssimo na jornada dos violonistas brasileiros e latino-americanos que nele atuaram.

Henrique Pinto coordenou as atividades do concurso de 1990 até 2009. Após sua morte, em 2010 – fato de grande comoção no meio musical brasileiro – assumi a coordenação artística a convite de Mário Cunha e, desde então, com o apoio da equipe do Souza Lima, o concurso seguiu sua trajetória sem interrupção, estando prestes a completar a terceira década de vida.

O início: a década de 1990

Primeiros Colocados do Turno IV (sem limite de idade) – categoria solo:

1990    I CVSL
Marcelo Santos Corrêa (São Paulo-SP)

1991    II CVSL
Luiz Carlos Mantovani (Jundiaí-SP) e Roberto Capocchi (São Paulo-SP)*

1992    III CVSL
Eugenio Lima de Souza (Natal-RN) e Josimar Alves Fonseca (Guarulhos-SP)*

1993    IV CVSL
Fábio Adour da Câmara (Rio de Janeiro-RJ) e Marcio Alexandre de Gouvêa (Arapongas-PR)*

1994    V CVSL
Moacyr Teixeira Neto (Vitória-ES)

1995    VI CVSL
Adriano Paes (Tatuí-SP)

1996    VII CVSL
Carlos Chaves (Niterói-RJ)

1997    VIII CVSL
Alessandro Pereira (Taubaté-SP) e Vladimir Bonfim Primo (Salvador-BA)*

1998    IX CVSL
Tiaraju Aronovich (Porto Alegre-RS)

1999    X CVSL
Luis Carlos Leite (Rio de Janeiro-RJ) e Ivan Claus Lima (São Paulo-SP)*

 * empates na primeira colocação

 

A primeira década, período de implantação do concurso, trouxe empates na primeira colocação em metade dos anos. Os vencedores saíram de São Paulo (7),  Rio de Janeiro (3), Rio Grande do Norte, Paraná, Espírito Santo, Bahia e Rio Grande do Sul.

Nomes importantes do violão brasileiro atual, que estavam despontando, como João Luiz Rezende Lopes (SP) e Fernando Lima (MG), empataram em segundo lugar na edição de 1999, enquanto que Paulo Inda (RS) ficou em segundo em 1998.

Outros jovens se destacaram nas categorias de menor idade, como o paulista (radicado em Minas Gerais) Michel Maciel (1991) e os goianos Lidiane Naves (1º lugar com distinção no turno até 17 anos em 1996) e Luciano Morais (vencedor do turno até 17 anos em 1994 e Menção Honrosa no turno sem limite de idade em 1995, além de 1º lugar em Música de Câmara em duo com Leonardo Camargos em 1999).

Sobre a categoria de música de câmara, aliás, cabe ressaltar os prêmios dos duos Breno Chaves/Eduardo Fleury em 1991 (que estariam juntos com Fabio Ramazzina e eu mesmo na primeira formação estável do Quaternaglia), Adriano Paes/Dagma Eid em 1994 e Gustavo Costa/Alexandre Moschella em 1995, bem como os duos com outros instrumentos Luiz Carlos Mantovani (violão)/ Michel de Paula (flauta), vencedor em 1990, e Ricardo Marui (violão)/Anderson Rocha (violino), que obteve o primeiro prêmio em 1992.

A primeira premiação a um quarteto de violões ocorreu em 1999 com a vitória do grupo formado por André Simão, João Francisco Botosso, Luiz Roberto Botosso e Vladimir Melander, todos alunos da USP.

Tiaraju Aronovich, que, em 1998, aos 18 anos de idade, fora o vencedor do turno máximo do Concurso Souza Lima, chegou à final do prestigioso concurso internacional da Guitar Foundation of America (GFA), nos Estados Unidos, no ano 2000.

A consolidação: de 2000 a 2009

Primeiros Colocados do Turno IV (sem limite de idade) – categoria solo: 

2000    XI CVSL
Mateus Andrade Dela Fonte (Salvador-BA)

2001    XII CVSL
Não foi atribuído 1º Prêmio

 2º lugar: Guilherme Vincens (Belo Horizonte-MG) e Marco Lima (Niterói-RJ)*

2002    XIII CVSL
Ricardo Novais (Belo Horizonte-MG)  e Maxwell Alves de Oliveira (Belo Horizonte-MG)*

2003    XIV CVSL
Vicente Paschoal (Rio de Janeiro-RJ)

2004    XV CVSL
Eduardo Minozzi Costa (São Paulo-SP)

2005    XVI CVSL
Cristiano Sousa dos Santos (Belém-PA)  

2006    XVII CVSL
Amadeu Rosa Augusto (Sorocaba-SP)

2007 XVIII CVSL
Fábio Rodrigues de Lima (Curitiba-PR)  

2008    XIX CVSL
Victor Melo Vale (Belo Horizonte-MG)

2009    XX CVSL
Aulus Rodrigues (São Gonçalo do Rio Abaixo-MG)

 * empates

 

Em sua segunda década de vida, o Concurso de Violão Souza Lima se profissionaliza mais, e os candidatos passam a refletir com mais intensidade os efeitos da criação dos cursos de graduação e pós-graduação nas universidades brasileiras. O estado de Minas Gerais se destaca com 5 nomes entre os melhores colocados, Rio de Janeiro e São Paulo surgem com 2, e Bahia, Paraná e Pará aparecem com 1 cada.

Nesse período o prêmio foi partilhado entre dois candidatos apenas duas vezes, uma da quais na edição de 2001, a única até hoje em que a banca optou por não atribuir um primeiro prêmio no turno máximo.

Entre os segundos colocados cabe mencionar Fernando Lima e Luciano Morais, que empataram na disputadíssima edição de 2000 (com o terceiro lugar atribuído a Flávio Apro), e também Chrystian Dozza (MG), vice-campeão em 2007.

Jovens revelações foram Gilson Brito (MT), que venceu o turno até 17 anos em 2000, Amadeu Rosa em 2004 (ele venceria o turno máximo dois anos depois) e Vitor Noah (GO) em 2008.

Na música de câmara, os vencedores de 2000 foram João Luiz e Douglas Lora, que haveriam de trilhar uma extraordinária carreira internacional com o nome de Brasil Guitar Duo. Duos integrados por Rodrigo Almeida/Daniel Duarte (2005) e André Priedols/ Daniel Kacelnik (2006) também foram ganhadores. Mas a década foi mesmo a do surgimento de importantes trabalhos em quarteto de violões, o que é atestado pelos primeiros prêmios de 2002 (Quarteto da Fundação das Artes de São Caetano do Sul), 2003 (empate entre Quarteto TAU e Qurteto Quartz) e 2007 (Quarteto Guit’Ars).

Como resultado ao primeiro prêmio obtido no turno máximo do Concurso Souza Lima em 2004, Eduardo Minozzi Costa ganhou uma viagem aos Estados Unidos que resultou em sua aprovação com bolsa integral para cursar o mestrado e, posteriormente, o doutorado em performance na Universidade do Arizona em Tucson.

 

3-  A maturidade: de 2010 aos dias atuais

Primeiros Colocados do Turno IV (sem limite de idade) – categoria solo:

2010    XXI CVSL
João Aris Kouyomdjian (São José do Rio Preto-SP)

2011    XXII CVSL
Silvino do Prado Almeida (Mairiporã-SP)

2012    XXIII CVSL
André Mello (São Paulo-SP)

2013    XXIV CVSL
Pablo Teixeira Villafuerte (Rio de Janeiro-RJ)

2014    XXV CVSL
Artur de Melo Miranda Azzi (Belo Horizonte-MG)

2015    XXVI CVSL
Tainã Marques de Souza (Botucatu-SP)

2016    XXVII CVSL
João Vitor de Oliveira Ferreira (São Paulo-SP)

2017 XXVIII CVSL
Afonso Celso (Salvador-BA)

 

A 21ª edição do Concurso Souza Lima, em 2010, a primeira sob a minha coordenação artística, realizou-se ainda sob o impacto da morte de Henrique Pinto, ocorrida no mês anterior. Alunos de Henrique de gerações diferentes, Giacomo Bartoloni e Paulo Martelli integraram a banca julgadora.

No ano seguinte, em associação com o “Festival Leo Brouwer”, que então se realizava em São Paulo, a banca de jurados foi integrada pelos violonistas Marcelo De La Puebla (Chile/Espanha), Breno Chaves e Angela Muner. Silvino Almeida, o primeiro colocado, foi pré-selecionado para tocar em uma masterclass com o próprio maestro Leo Brouwer.

Nestes anos mais recentes destacaram-se também Daniel Gabassi, de São Paulo, que obteve a segunda colocação do turno máximo em 2014 e 2016 e Bruno Madeira (Itajaí, SC), o segundo colocado em 2012. Tainã Marques de Souza venceu o turno até 17 anos em 2013 e o turno máximo em 2015, quando contava apenas 18 anos. Na música de câmara, o prêmio de 2011 coube ao Quarteto de Violões da FAMES (Vitória-ES).

Entre os jovens talentos que seguem sendo revelados pelo Concurso de Violão Souza Lima estão Gabriele Leite (Cerquilho-SP), que venceu os turnos até 14 anos (2011) e até 17 anos (2014), e o jovem Lucas da Silva Rocha (São Paulo-SP), que já obteve vitórias máximas no turno até 11 anos (2014) e no até 14 anos (2017).

 

Sidney Molina é o coordenador artístico do Concurso de Violão Souza Lima. Tem bacharelado pela USP, mestrado e doutorado pela PUC-SP. É violonista fundador do Quaternaglia, professor do FIAM FAAM (SP) e do IECG em Belém (PA) e crítico de música da Folha de São Paulo.

 

Agradecimentos – a lista completa de ganhadores do Concurso Souza Lima não teria sido remontada sem a ajuda preciosa de Ricardo Dias, violão.org e Gilson Antunes, além da contribuição espontânea dos próprios premiados.

WhatsApp chat