Uma breve história do Cavaquinho

cavaquinho

O Cavaquinho é uma pequena guitarra de quatro cordas, de origem moura, e tessitura de apenas duas oitavas e afinação que forma uma tríade de sol maior (ré, sol, si, ré – do grave para o agudo, sendo que o lá da segunda casa da terceira corda é o de 440 hertz).

O cavaquinho foi introduzido no Brasil pelos portugueses na colonização, no século XVIII.

Me segue no instagram! @joaomarcondesoficial

É um instrumento amplamente utilizado nos folguedos populares, da folia de reis, reisado. Nesse caso, o cavaquinho é utilizado para acompanhar as vozes e pode possuir uma afinação diferenciada: a mais aguda afinada em mi.

No Brasil o cavaquinho se estabeleceu como figura fundamental do agrupamento típico do choro: o regional. Realiza o “centro”, espécie de condução rítmico-harmônica.

A tessitura e afinação do cavaquinho permitem dobras intervalares não usuais nos instrumentos harmônicos, de terças em tríades maiores e menores, de quintas justas.

Um instrumento tão agudo que a interferência da série harmônica é pequena, estabelecendo outros critérios.

Sobreposições

É comum acordes incompletos nas tétrades e um pensamento de sobreposição, estruturas complementares, estruturas altas. Por exemplo: se agrupado enquanto o violão está tocando uma tétrade maior com sétima maior, o cavaquinho se estabelece tocando a estrutura completa de um mi menor com sétima. A resultante não se modifica, é complementar.

No choro e no samba as tríades são primordiais por evocarem e favorecerem a questão rítmica da estrutura do acorde. Sons presos no cavaquinho favorecem a execução, em alguns casos complementados pela própria mão esquerda.

Referência

O Brasil ampliou a linguagem do instrumento, definindo técnicas e estratégias interpretativas que culminaram no brilhantismo de Waldir de Azevedo (1923 – 1980), um exímio solista e compositor, que levou o instrumento para outro patamar no panteão da música brasileira.  Waldir desenvolveu um extenso repertório característico do cavaquinho, que consolidou os valores figurativos do instrumento.

Vamos conhecer mais referências do instrumento nesse infográfico especialmente produzido para nosso blog, com texto e pesquisa minhas, João Marcondes, para design do infografista Jean Forrer.

 

joão marcondes

 

SHARE
Previous articleAs características do Baterista
Next articleO que é mais fácil: Teclado ou Piano?
Primeiro me segue no instagram: joaomarcondesoficial! Eu sou o Professor João Marcondes! Sou coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Também coordeno programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. E coordeno as unidades Moema e Alphaville desde 2010. Também atuo na instituição em tarefas administrativas, como assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. Sou autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Meus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. Sou educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/ Segue no instagram; https://www.instagram.com/joaomarcondesoficial/