Uma breve história da bateria no Brasil

Um instrumento norte-americano que também adquiriu linguagem e características da música brasileira, e quase que imediatamente. A bateria está presente no fazer musical brasileiro desde a década de 1910.

Uma breve história da bateria no Brasil

Para José Ramos Tinhorão, “… baterista e pianista euro-americano Harry Kosarin quem daria a conhecer aos cariocas e paulistas, a partir de meados de 1919, com as exibições do seu Harry Kosarin Jazz Band…” teria sido o introdutor do instrumento. Ou ao menos quem tocou primeiramente bateria no Brasil.

Quanto a uma linguagem brasileira Luciano Perrone é precursor. Claro, que ainda muitíssimo distante da linguagem que adquiriu em território brasileiro.

Em foto dos Oito batutas, grupo de Pixinguinha, já é possível identificar a bateria na década de 1920 em um agrupamento tipicamente brasileiro.

Fato que em linguagem brasileira da bateria muito se deve ao samba-jazz da década de 1950. E aos músicos que vieram a seguir. O samba com acentuação no prato. A condução com o chimball. A definição de forma. As acentuações típicas. E a utilização da composição das peças e baquetas.

As publicações dessa série tem o intuito de conceber indicações fonográficas para os iniciantes em música brasileira.

Da geração do samba jazz vieram:

Dom um Romão (1925 – 2005).

Edson Machado (1934 – 1990), Milton Banana (1935 – 1999), Wilson das Neves (1936 – 2017), Rubinho Barsotti (1932), Hélcio Milito (1931 – 2014).

Hércules (1938) – baterista de Paulinho da Viola, samba tradicional brasileiro.

Para a seguir:

Robertinho Silva (1941), Paulinho Braga (1942) Chico Batera (1943).

Airto Moreira (1941) – que misturava a bateria e a percussão brasileira.

Nenê – Realcino Lima (1947).

Tutty Moreno (1947).

Marcio Bahia (1958).

Ao pesquisador, músico-baterista, arranjador, ou compositor, conhecer a obra desses músicos primordiais do fazer brasileiro, é um passo fundamental para atingir a linguagem que se procura em sua execução ou criação. A bateria é um universo. E um universo de linguagens, matizes, e formas.

Aproveite o infográfico com conteúdo e texto de João Marcondes para design de Jean Forrer.

 

joão marcondes

SHARE
Previous articleComo é trabalhar como músico?
Next articleQuem é o maior nome da música brasileira?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville, Ribeirão Preto e Lençóis Paulistas. É idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular (extensivo e semi-intensivo), do Curso Técnico em Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes atua na instituição em tarefas administrativas como assistente de direção, e ainda é diretor da editora Souza Lima. É editor e autor do BLOG Souza Lima, com mais de quinhentas publicações (BR, ES e EN). É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Composições e obras disponível no Spotify, Deezer e iTunes Music.