Quero ser produtor musical

A tarefa do produtor musical se confunde com a do arranjador em algumas atribuições, principalmente as que são relacionadas a criação.

O produtor musical arranja, de certo modo, arregimentando na escolha pontual dos músicos que participarão de um projeto. O produtor musical atua também avaliando uma banda e polindo certos elementos, cortando excessos. O produtor musical realiza curadoria artística. E também pode atuar comercializando o show de determinado artista.

Uma carreira versátil

O produtor musical está entre as tarefas mais versáteis da atuação do músico. Quando está para a criação é o responsável por criar uma combinação, avaliando músicos, personagens que farão parte de determinado projeto. Muitos produtores musicais não são arranjadores conceitualmente, alguns sequer são versados da tradição musical escrita, e mesmo assim consolidam ideias musicais verbalmente.

Claro, que se o produtor musical especializado em criação souber pautar os sons obterá algumas vantagens na comunicação com alguns músicos arregimentados. Mas se souber do repertório de cada músico selecionado, conhecendo-o profundamente e as referências do que procura, na comunicação verbal obterá êxito. Ainda mais em situações onde o produtor musical é contratado para gerir uma banda artística que dispensou conhecer a partitura, uma banda pop jovem, por exemplo. A comunicação e ideia precisarão ser apresentadas por outro meio.

O produtor musical, arranjador, muitas vezes é denominado diretor musical. Àquele que gere uma banda ou um grupo, atuando como instrumentista ou até regente. Nos encartes e descrições surge a representação do músico como “arranjos e direção musical”.

Originalidade

Ao Produtor Musical se espera originar um trabalho. Muda-lo. Concebe-lo. Criar ideologicamente. Imaginando e realizando algo que identifique um novo caráter artístico.

O produtor musical pode ser um curador, e aí se estabelece novamente a originalidade. Àquele que reúne determinados artistas para um festival, um álbum, um show. Extraindo então das diferenças um produto artístico de interesse.

Da atuação comercial

Evidentemente que ao ingressar em situações burocráticas, o produtor musical atua comercialmente. Na venda dos shows. Na inscrição de uma lei de incentivo como proponente representando uma empresa. Nos preparativos e locações para determinado espetáculo. Nas questões de acomodação, locomoção, alimentação de um grupo ou dos elementos técnicos que compõe um show artístico.

A tarefa do produtor musical é bastante movimentada. Trafega da criação ao estafe comercial e de realização.

O investimento em formação do produtor musical se dá por diferentes meios.

Há programas tecnólogos no Brasil que preparam o produtor musical. Algumas especializações lato sensu em negócios em música – music business. Feiras especializadas.

Como conselho?

Realize uma formação em música, graduação, técnica, ou até livre, que otimize a comunicação e amplifique as avaliações e situações que pode atuar. Conheça muito sobre música, referências estéticas são fundamentais para produzir algo artisticamente. Se pretender atuar na área comercial conheça as leis, regimentos, projetos culturais, documentações.

Qual a diferença entre o arranjador e o produtor musical na questão criação?

O arranjador pauta, precisa executantes versados em leitura e escrita musical, para realizar o imaginário que criou. O arranjador tem controle escrito sobre cada nota.

O produtor musical vai polir a execução de algo realizado empiricamente. Sugerir oralmente. E se vai conceber algo do zero, mistura músicos executantes, expressivos, para que dessa experiência, nem toda escrita, se realize algo artisticamente notável.

Atuei como arranjador e diretor musical, e como produtor musical, em trabalhos diferentes, com formas de criação diferentes no meu selo BAC Discos.

Dica

Para a dinâmica do “Quero ser músico”, o ideal é que o músico que se torna profissional esteja preparado para diversas situações. Ser um bom instrumentista, ter expertise para compor, arranjar, se precisar dirigir, produzir.

E conhecer dos softwares de gravação, produção, edição de partitura…

Vamos em frente! Aprendendo a aprender, contribuindo com uma geração de músicos.

Já leu os outros textos da série Quero ser músico?

Ampliado e revisado em 20 de março de 2019. Publicado em 8 de janeiro de 2018.

SHARE
Previous articleBacharel pode dar aula de música?
Next articleQual instrumento é o mais barato para começar a aprender?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville, Ribeirão Preto e Lençóis Paulistas. É idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular (extensivo e semi-intensivo), do Curso Técnico em Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes atua na instituição em tarefas administrativas como assistente de direção, e ainda é diretor da editora Souza Lima. É editor e autor do BLOG Souza Lima, com mais de quinhentas publicações (BR, ES e EN). É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Composições e obras disponível no Spotify, Deezer e iTunes Music.