Quero ser músico pesquisador

No Brasil, o campo de atuação do músico ampliou-se substancialmente com o desenvolvimento da pesquisa . Por políticas públicas, na ampliação das ofertas de vagas nas universidades, e no investimento em intercâmbios em programas internacionais, o músico possui uma área de atuação muitíssimo gratificante.

Pesquisar é empírico. Na academia transita em linhas de pensamento que constituem um legado a humanidade.

Nas universidades públicas o pesquisador divide a atividade letiva, com a organização de grupos de estudo e orientação acadêmica – formação de novos pesquisadores.

Habitualmente o fazer do pesquisador acadêmico reside na Universidade. Os pesquisadores acadêmicos formaram-se em programas de mestrado e doutorado em linhas de arte educação, musicologia, e práticas interpretativas.

Os programas de mestrado e doutorado são fundamentais para o desenvolvimento da pesquisa, mas o pesquisador como aquele que eleva, registra e divulga uma manifestação artística pode ter origem no povo, e nunca ter sido um acadêmico. O pesquisador acadêmico também pode atuar de forma independente.

O intuitivo

O pesquisador intuitivo, por sua vez, é um exemplo de perseverança. Alguém que enxerga valor em algo muitas vezes desvalorizado, dedica-se para tanto e mesmo que por fim registre de forma primitiva, em anotações básicas se comparado ao acadêmico, o resultado pode possuir uma visão até mais próxima da origem do objeto.

O músico compositor necessita desenvolver métodos de pesquisa que sirvam de sustentação para algumas de suas obras. A pesquisa também é importante para o arranjador e ao produtor. Mário de Andrade, pensador e pesquisador do modernismo brasileiro, organizou uma obra no início do século XX baseado em pesquisa de campo, assim como o compositor contemporâneo Heitor Villa-Lobos.

A atuação do músico pesquisador é determinante para a preservação e contextualização do fazer musical brasileiro. Das práticas letivas às atividades artísticas, o pesquisador é uma figura ativa na formação – no registro, da análise à reflexão.

O desenvolvimento acadêmico se dá apenas na área de Música?

A pesquisa com viés na educação, antropologia e história pode ser caminho para o pesquisador em consolidação.

Quanto tempo dura o programa de mestrado e doutorado?

O mestrado dura entre 2 e 4 anos.

O doutorado entre 3 e 5 anos.

O que pesquisar?

Manifestações populares. Folclore.

Improvisação.

Métodos da educação.

Conjuntos.

Interpretação e estética de gêneros urbanos.

Práticas interpretativas de um instrumento.

Práticas composicionais.

Vamos em frente. Conhece as outras publicações da série Quero ser músico?

 

SHARE
Previous articleQuero ser maestro (regente)
Next articleHistória da Música Brasileira – Parte 2/3
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville, Ribeirão Preto e Lençóis Paulistas. É idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular (extensivo e semi-intensivo), do Curso Técnico em Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes atua na instituição em tarefas administrativas como assistente de direção, e ainda é diretor da editora Souza Lima. É editor e autor do BLOG Souza Lima, com mais de quinhentas publicações (BR, ES e EN). É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Composições e obras disponível no Spotify, Deezer e iTunes Music.