Quero Ser Músico entrevista: Leopoldo Calderón

O Souza Lima possui uma visão internacional do que é ser músico. Uma escola com iniciativa e conexões internacionais desde a década de 1990, quando iniciou a parceria direta com a Berklee College of Music. E que se estendeu para diversas instituições no mundo. 

Inclusive influenciando a Berklee nas parcerias e projetos. Por exemplo, depois da fundação do CLAEM pelo Souza Lima, com direção de Óscar Stagnaro, contrabaixista peruano radicado em Boston, a Berklee lançou seu projeto Berklee Latino. Ampliando sua atuação, graças a nossa iniciativa, em toda América Latina.

O entrevistado de hoje é Leopoldo Calderón, educador, instrumentista, colombiano. Que nos conta dos preparativos para o CLAEM X, que será realizado em 2019 em Barranquilla, Colômbia, e Leopoldo é o anfitrião local, representante da Universidade UNINORTE, onde é coordenador pedagógico.

Também a entrevista nos traz a visão e contribuição das associações internacionais, e a formação contemporânea do músico colombiano.

ENTREVISTA

Nome: Leopoldo Alberto Calderón Jiménez

Cidade natal: Barranquilla, Colombia

Ano de nascimento: 1981

Instrumento: Guitarra (6, 7 e 8 cordas), Bandolim, Banjo, Pipa China, Sitar Indio, Ukelele, Três Cubano, Tiple, Cuatro Llanero, Vihuela Mexicana, Cavaquinho e Bajo.

Formação Acadêmica: Especialista em Música Moderna
Comunicador social
Bacharel em Educação Musical
Mestrado em Comunicação Audiovisual e Multimédia
Mestrado em Educação

1) Em que ano você iniciou sua carreira como músico profissional?
Comecei minha carreira como músico profissional tocando para diferentes grupos e projetos musicais em 1999; a partir desse momento, fiz parte da renovação do cenário do jazz em Barranquilla, liderando o movimento Rock-Fusion na cidade.

2) Que áreas você atua ou já atuou como profissional da música?

Eu trabalhava como intérprete em diferentes gêneros e conjuntos (vallenato, orquestras de música tropicais – e salsa merengue-, mariachi, son cubano, bolero, jazz, rock, pop, country, manouche, -caribe música popular colombiana, Andina e llanera-, flamenco, bossa nova e samba, tango, soukous); também tive a oportunidade de liderar gravações e ser arranjador, músico, produtor, produtor musical para a série de TV e produções audiovisuais, transcritor, desenvolver ações de musicoterapia, e pesquisa e ensino, ocupando a maior parte da minha tempo hoje.

Muito importante a questão da diversificação, Leopoldo.

3) Como ocorreu a associação da sua instituição UNINORTE para o CLAEM e a ALAEMUS?

Graças ao gentil convite do professor Oscar Stagnaro, participamos do VII CLAEM em São Paulo, iniciando um vínculo de cooperação e os intercâmbios culturais e acadêmicos, hoje com 34 instituições que compõem a Associação, realizada nestes já quatro anos de compartilhamento de espaços que desenvolvemos no CLAEM anualmente.

4) Qual a importância de uma iniciativa como esta para a instituição que representa? Quais contribuições o CLAEM e o ALAEMUS trouxeram para sua instituição?

A integração latino-americana é uma das questões mais importantes a serem resolvidas no panorama cultural, social, político e acadêmico do continente. A Associação atende a esse compromisso, com uma agenda acadêmica e artística de alto nível que permite a troca de culturas, celebrando nossas diferenças e semelhanças.

Para o Departamento de Música da Universidade do Norte, é gratificante fazer parte desta cena renovada de projetos de nível educacional na América Latina, onde podemos nutrir nossa proposta educativa através da partilha e interagir permanentemente com nossos colegas de 19 países, que tem sido representados em visitas, gravações de colaboração, modalidade acadêmica para os nossos professores e alunos, entre outras atividades que nos deram visibilidade e credibilidade como um dos programas de música mais importante da Colômbia e do Caribe, e a capacidade de compartilhar nossa proposta e missão acadêmica .

5) Qual a expectativa de sediar o CLAEM 2019 em sua cidade e universidade, tanto para a comunidade de professores quanto para os alunos? Quantos estudantes locais serão servidos?

Uma das realizações mais importantes para nós está sediar o CLAEM X. Construindo na região, na costa norte da Colômbia,  integração e oportunidades para todas as escolas visitar-nos, e contribuir para o posicionamento de Barranquilla como capital cultural e destino turístico.

Atualmente, o Departamento de Música da UniNorte conta com 130 alunos, esperamos contar com a anuência de estudantes, profissionais, amantes da música e outros interessados ​​na música atual e em todas as possibilidades que um evento dessa magnitude implica.

6) Hoje, qual é o foco central de sua universidade em termos de formação? Graduação em instrumento? Licenciatura? O que você espera do evento para o benefício de sua instituição?

Gerir uma agenda de 8 semestres no regulares / renda ordinária, e renda tem um programa chamado “Nivelatorio” para os estudantes que têm talento e habilidades, mas deficiências no conhecimento teórico, treinamento auditivo e teoria musical.

É um semestre preparatório para nivelar o aluno e que sua entrada na Universidade e no programa seja ótima. Nossa oferta está concentrada na formação de intérpretes de alto nível, tanto na ênfase da Música Clássica quanto no Jazz e na música popular/moderna.

Nossos alunos terminam a Universidade com o título de “Maestro en Música” (diploma oficial em legislação colombiana para músicos profissionais).

E esperamos para a nossa comunidade acadêmica múltiplos benefícios na semana de CLAEM, para conhecer pessoas e culturas diferentes, complementares para a realidade da música hoje em dia parece, e atualizar conhecimentos e habilidades relacionadas à formação integral de nossas habilidades de departamento de música.

7) Então, qual a importância da troca pela CLAEM entre instrumentistas e educadores de diferentes países em termos de desenvolvimento local?

A diferença enriquece; mas partilhamos a mesma instrumentação básica em todo o continente, com presença predominante de cordas e tambores, a nossa visão e sentem sobre as possibilidades rítmicas, melódicas e harmônicas dos instrumentos são diferentes, resultando em diferentes tradições e gêneros representativos de cada país, dando-nos maior capacidade e compreensão dos nossos instrumentos, ritmos e tradições de som, especialmente nutrir a matéria-prima de qualquer prática musical.

8) Como é o desenvolvimento profissional do músico colombiano em termos de perspectivas e performances no mercado local e nacional?

Há uma forte tendência de produção e composição, são os perfis ocupacionais com maior demanda no momento, seguidos pela interpretação instrumental; sempre haverá intérpretes. Há uma tendência crescente também para o estudo da musicoterapia, e também um interesse em pesquisa e etnomusicologia.

9) Como o ensino universitário contribui para o desempenho do músico colombiano?

A história da música e da humanidade é repleta de exemplos de artistas sem formação musical que transcendem seu tempo e época; no entanto, atualmente, a cena musical é altamente competitiva, e a educação formal representa e envolve aprendizado e treinamento em competências e hábitos em um alto nível de exigência e complexidade. Parte do sucesso é o reconhecimento de especialização e adequação dentro de uma comunidade de pares; as Universidades, os Conversatórios e as Escolas são os pontos de encontro, de onde começam e são forjadas muitas relações artísticas. Por isso, por exemplo, o CLAEM é uma extensão continental desses espaços, com o apoio e o empoderamento de compartilhar conhecimentos, mediados pela interação entre os músicos acadêmicos de alto nível e as instituições que eles representam.

10) Quais são as principais referências da música colombiana em termos de gênero, compositores, instrumentistas? O que conhecer na Colômbia no CLAEM 2019?

A Colômbia é um país muito diversificado, como sugere sua geografia. Assim é a sua música. É difícil recomendar sem se estender.

No seguinte link da Wikipédia, você encontrará uma análise detalhada de um mapa musical da Colômbia por regiões, um trabalho muito completo que nasce da pesquisa do Centro de Documentação Musical da Biblioteca Nacional da Colômbia:

https://en.wikipedia.org/wiki/Ejes_musicales_de_Colombia

Muito obrigado Leopoldo Calderón pela entrevista.

Ansioso por estar contigo no CLAEM X, até já na Colômbia!

Abraço amigo!

Entrevista realizada por e-mail, para série QUERO SER MÚSICO, que tem por objetivo auxiliar nas decisões dos estudantes que pretendem profissionalizar-se.

SHARE
Previous articleMúsica Brasileira em Compasso Composto
Next articleQual instrumento musical é o mais difícil de tocar?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville, Ribeirão Preto e Lençóis Paulistas. É idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular (extensivo e semi-intensivo), do Curso Técnico em Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes atua na instituição em tarefas administrativas como assistente de direção, e ainda é diretor da editora Souza Lima. É editor e autor do BLOG Souza Lima, com mais de quinhentas publicações (BR, ES e EN). É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Composições e obras disponível no Spotify, Deezer e iTunes Music.