Quero Ser Músico Arranjador

Quero Ser Músico Arranjador

Arranjador é a atividade do músico que concebe ou propõe releituras para uma obra de outrem. Ao arranjador é preliminar a reinterpretação.

Do arranjador então espera-se propor estilo, instrumentação, forma, andamento, rítmica…

Similar ao compositor de certo modo?

Sim, as funções do arranjador e do compositor estão no campo da criação, mas diferem substancialmente na concepção. Ambos se dedicam a criação original, e assim se espera, mas enquanto o arranjador flutua sobre um material melódico conhecido ou que foge a sua autoria preliminar, o compositor compõe obra completa.

O arranjador na história

Na música erudita é comum que compositores iniciantes realizem adaptações para obras de outra autoria. A origem do arranjo também está na adaptação. Uma canção que virou uma obra coral, ou uma melodia popular que o músico arranjador instintivamente contribuiu com elementos ornamentais.

Outra atividade comum no século XIX na consolidação do mercado editorial e que perdurou até metade do século XX, e que envolveu a função e até de certo modo o desenvolvimento da carreira arranjador, foi ao realizar adaptações. O arranjador realizando reduções: uma obra orquestral adaptada para o piano, por exemplo.

Mas o que se espera do músico arranjador?

Ao arranjador na contemporaneidade se espera muito mais que uma adaptação.

Aguarda-se uma contribuição. Algo que marque ou que valorize e justifique a releitura ou a apresentação de uma nova composição.

Com o advento do mercado fonográfico, músicos compositores, eruditos, foram convidados a contribuir com os fonogramas. E hoje o arranjo está mais para a música popular do que para a música erudita, evidentemente.

Partindo de uma composição popular com objetivo de ser gravada, os arranjadores concebiam uma instrumentação que a valorizasse. Ou uma forma, com um interlúdio instrumental, com um solo, com uma introdução e um coda de finalização. Uma modulação ao estribilho. Estava estabelecida uma nova carreira ao músico versado na tradição escrita, agora também interessado na música popular.

E quanto a formação?

Ao arranjador se espera um conhecimento harmônico, de instrumentação ou organologia, dos agrupamentos peculiares, dos estilos, e gêneros. Não há no Brasil universidades ou faculdades especializadas e que ofereçam uma graduação em arranjo. Fora do Brasil há.

Sugiro que o interessado na carreira do arranjo no Brasil realize bacharelado em instrumento – cuja a matéria arranjo compõe a grade curricular, principalmente em cursos populares; ou que realize bacharelado em composição, e a seguir se especialize em arranjo através de aulas particulares.

Como sugestão para compreender a função do músico arranjador…

Procure uma canção muito popular e ouça diferentes versões, ali estão arranjos diferentes. Mas lembre-se de escolher uma canção muito famosa realmente, àquela inconteste e que de cara sabemos que foi registrada em centenas de fonogramas.

Por exemplo: “Garota de Ipanema” uma das  canções mais famosas e gravadas do mundo. Procure um arranjo para violão, um arranjo para piano, um arranjo para orquestra, ouça o arranjo original que lançou a música na década de 1950, procure a versão de Frank Sinatra, uma versão com voz feminina, uma versão para big-band, etc…

Avalie cada momento. E confirme a contribuição fundamental do arranjador para o desenvolvimento da obra e por conseguinte da música ocidental.

Compreendemos o que é arranjo? Confesso que aos alunos que oriento, a função do arranjador é a mais complexa de se explicar.

Acompanhe o blog que por aqui sempre há novidades!

Regressaremos a esse tema em um segundo momento. E faremos sem dúvida algumas entrevistas com músicos que se destacaram na tarefa do arranjo e que poderão contribuir com a sua decisão de ser músico.

A função do arranjador é única. É específica. Há arranjadores excelentes que não compõem. E compositores eruditos que não se arriscam em criar um arranjo. Especialidades que conferem uma ótica perfeita para uma reflexão.

Vamos em frente! Sempre temos muito o que aprender!

E em nosso blog há entrevistas com arranjadores! Já leu? Comece pelo Rodrigo Morte!

 

SHARE
Previous articleHistória da Música Brasileira – Introdução
Next articleHistória da Música Brasileira – Parte 1/3
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville, Ribeirão Preto e Lençóis Paulistas. É idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular (extensivo e semi-intensivo), do Curso Técnico em Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes atua na instituição em tarefas administrativas como assistente de direção, e ainda é diretor da editora Souza Lima. É editor e autor do BLOG Souza Lima, com mais de quinhentas publicações (BR, ES e EN). É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Composições e obras disponível no Spotify, Deezer e iTunes Music.