Quando colchetes podem ser ligados nas figuras de valor musical?

colchete

Quando colchetes podem ser ligados nas figuras de valor musical?

Seguimos as discussões de planificação teórica musical, ligada a questão de grafia como teoria aplicada.

Os colchetes são parte das figuras de valor positivo completas, que são a colcheia, a semicolcheia, a fusa e a semifusa.

Para afirmar quando colchetes podem ser ligados precisamos entender o nível de proposição artística e técnica da partitura. A partitura foi escrita para quem? Está destinada para um estudante iniciante ou para um profissional? Quais aspectos artísticos envolvem a escrita musical?

Definida a questão podemos esclarecer:

1| Se a partitura for destinada para um estudante iniciante é muito importante que as figuras correspondam a proporções de um tempo. Ou seja, para um estudante a composição entre primeira e segunda subdivisão, ou até de terceira, podem ser ligadas desde que sejam parte de um mesmo tempo.

Nesse caso os colchetes são interligados da maneira mais clara possível quanto a pulsação, e gerando um número controlável de variações rítmicas.

Observe os colchetes ligados sobre um pulso nesse material utilizado no Preparatório para Vestibular, que coordeno em nossa instituição.

2| Aspectos da escrita musical que incluem a ligação do colchete possuem outra visão desde a escrita operística. A ligação dos colchetes desse gênero musical pode se basear em frases. Ou seja, a própria ligação de um colchete propõe o período da frase.

Para este caso os colchetes ligados livremente, até ultrapassando um compasso, propõe a percepção visual livre, algo que precisa ser pensado para ser executado. Esse é um ponto importante que crava uma escrita adiantada, destinada a profissionais.

3| A ligação de colchetes quando extrapola o compasso, criando métricas e sobreposições alternativas, de polimetria, e polirritmia, também promove a ligação variação artística. Essa ligação ocorre por proposição estética, ignorando o intuito de facilitar a compreensão de escrita rítmica, a proposição está em facilitar a compreensão de intenção do artista.

Como nas obras de Ígor Stravinsky.

Vale pensar em tudo isso para criar uma partitura condizendo! Uma partitura bem escrita oferece sempre bons resultados para a prática musical!

#VemProSouzaLima

SHARE
Previous articleO que faz um músico?
Next articleExiste uma quinta tríade musical?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. Coordena as unidades Moema e Alphaville desde 2010. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Seus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/