Quais sistemas de escrita musical são utilizados hoje?

leitura

Quais sistemas de escrita musical são utilizados hoje?

Existem muitas variações aos sistemas de escrita aplicados na comunicação musical de estudantes, apreciadores e profissionais. Particularmente vejo função e beleza em cada um deles. Como aprender é outra questão, vamos falar disso?

Tratemos de sete possibilidades!

1| Partitura

A partitura é o mais completo sistema musical desenvolvido pela humanidade por levar em consideração os quatro elementos físicos. Elementos físicos que adquiriram simbologia ao longo da história.

A escrita de partitura agrega símbolos de altura, duração, timbre e intensidade.

A altura e a duração possuem grafia direta, toda grafia que determina claramente – precisamente sua orientação para leitura.

O Timbre possui precisão na indicação de instrumento, e quando por proposição estética, o timbre nunca adquiriu padronização.

A intensidade cujo simbologia é universalizada se estabelece de maneira interpretativa e comparativa.

A partitura oferece alicerces independentes e autônomos, quem sabe ler uma partitura não precisa de nenhum conhecimento prévio musical sobre o que se lê. Ou seja, basta ler, não é preciso ouvir para tocar.

2| Cifras

É uma linguagem interpretativa que não determina alturas. A cifra determina conjuntos de notas através de letras do alfabeto e símbolos (# e b) para estabelecer suas fundamentais; termos para determinar conjunto de tríades e números para representar sétimas e extensões de acorde – nonas, décimas primeiras e décimas terceiras.

As cifras são aplicadas sobre as pautas originalmente em uma partitura que mistura melodia e harmonia. E com orientações de estilo ou gênero realizam leitura interpretativa. Com essa orientação, e conhecendo estilo ou gênero é possível tocar sem conhecer a música.

Existem acordes específicos e consolidados no repertório, trazido a nós pelo mercado fonográfico.

3| Letra Cifrada

A letra cifrada estabelece as cifras aplicadas sobre o texto das composições do repertório popular fonográfico. Letra e música. Essa linguagem depende de conhecimento estético, ou seja, conhecer a música para tocá-la, a letra cifrada funciona como uma guia.

4| Tablatura

A tablatura é uma linguagem escrita de função geográfica. Estabelece os pontos de execução, por exemplo, em uma guitarra enumerando as cordas e as casas.

O conhecimento prévio da música que será tocada é fundamental para leitura de uma tablatura.

5| Tablatura com ritmo

A tablatura com ritmo corrige a dependência em conhecer a música. A convenção geográfica orienta a altura, a duração estabelece o alicerce para construção melódica.

6| Grafia numérica, por graus

A grafia numérica é pouco utilizada, é verdade, mas é possível considerar um excelente (talvez o melhor) aporte teórico para análise harmônica da música popular, e o principal, saber tocar por graus possibilita leitura em todas as tonalidades com um mesmo mecanismo. Infelizmente é um recurso utilizado por profissionais e ocasionalmente estudantes avançados.

7| Braile

A escrita em braile possui orientações de posicionamento e de nota projetando a memorização de trechos musicais.

O Souza Lima possui uma das maiores bibliotecas de partitura em braile do Brasil. Infelizmente é pouquíssimo consultada.

E aí? Qual sua preferência? Para mim especialmente a partitura como elemento de escrita é imbatível. Particularmente observo valores importantes e possibilidades muito atrativas nas cifras e na tablatura.

E aí? Escolheu por onde começar? Escolheu o melhor entre os sistemas de escrita musical utilizados hoje?

#VemProSouzaLima

SHARE
Previous articleA clave de sol é própria para os sons agudos?
Next articleColeção Universo dos Sons
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville e Ribeirão Preto. Também é idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music.