Quais os principais problemas que podem ocorrer em um baixo fretless?

Quais os principais problemas que podem ocorrer com um baixo fretless?

Quais os principais problemas que podem ocorrer com meu instrumento musical! Uma série do Souza Lima, assinada e criada por mim, João Marcondes, para contribuir com sua formação. 

Primeiramente, é preciso cuidar muito bem de seu instrumento! O tocar pode ser muito mais difícil em um instrumento desregulado. De uma corda alta, com tensão não condizente com seu estilo, até um braço realmente empenado, fatos todos que comprometem a ação do instrumentista.

O contrabaixo é um instrumento de cordas pinçadas. Possui um equipamento transdutor, captadores, e depende de um sistema elétrico para constituir seu som, o conhecido amplificador interligados por um cabo p-10.

Ter um cabo de qualidade também é um diferencial e tanto. Somente o tempo mostra a diferença quando não somos informados em nossa primeira formação.

Lembre-se que o modelo Fretless não possui os conhecidos trastes. Há modelos de fábrica, e modelos criados, quando se extrai os trastes do instrumento – evidentemente um trabalho realizado por um luthier.

Os problemas mais comuns são:

  • Variação no braço.

O contrabaixo elétrico possui tensor, assim como a guitarra e o violão de aço. Com a troca de cordas, principalmente em calibre, o braço pode sofrer alterações que comprometem a afinação. Verifique a calibragem da corda, sempre que alterar o encordoamento.

Manter guardado o último envelope do encordoamento do baixo elétrico pode ser uma sugestão, ou gere uma anotação. Saber ao toque o calibre da corda leva tempo.

O empenamento do braço do seu instrumento afeta até mesmo a afinação.

Não deixe seu instrumento exposto ao sol, variações de temperatura afetam o instrumento como um todo.

Quais os principais problemas que podem ocorrer com um baixo fretless?

  • Tarraxa

Pode ocorrer uma perda de precisão na tarraxa. É um diferencial e tanto ter uma tarraxa top, vale o investimento.

  • Mão

É muito fácil quebrar a mão de um instrumento de cordas. Soma-se a queda e a tensão do braço e o resultado é inevitável. Um instrumento excelente de mão quebrada, mesmo que consertada perde valor substancial de mercado. Cuidado!

  • Arranhados, riscos e marcas

São comuns riscos no tampo e braço. Mas em um instrumento pode até mesmo valoriza-lo! Principalmente nos modelos históricos. Um baixo sem marcas pode ser um baixo sem história. Evidentemente não exagere.

  • Sistema elétrico

É raro estragar o captador de uma baixo, no entanto, os potenciômetros e o jack necessitam de uma lubrificação contínua. Instrumento parado, para pó, o que danifica a parte elétrica gerando aqueles ruídos insuportáveis.

Tenha um excelente cabo P-10, e procure utilizar o mesmo. Ressaltando que ao introduzir e retirar o cabo é preciso ter cuidado. A troca de um jack não é barata, serviço para um luthier. Lembrando que os amplificadores também precisam ter manutenção.

Ao menos nesse instrumento não se tem problemas com desgaste dos trastes. Embora o espelho do baixo se for utilizado com cordas muito desgastadas pode sofrer riscos que atrapalham sua ação como instrumentista.

Toca contrabaixo? Você precisa de um luthier de sua confiança para avaliar e realizar os ajustes necessários.

Aguçou sua curiosidade? Quer melhorar como instrumentista? Quais os principais problemas que podem ocorrer com um baixo fretless? Já sabe! Cuide bem de seu instrumento!

#VemProSouzaLima

SHARE
Previous articleO que é Baixo Fretless?
Next articleComo identificar em pauta os modos da escala maior?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville, Ribeirão Preto e Lençóis Paulistas. É idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular (extensivo e semi-intensivo), do Curso Técnico em Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes atua na instituição em tarefas administrativas como assistente de direção, e ainda é diretor da editora Souza Lima. É editor e autor do BLOG Souza Lima, com mais de quinhentas publicações (BR, ES e EN). É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Composições e obras disponível no Spotify, Deezer e iTunes Music.