O que são Cordofones perante a organologia?

organologia

O que são Cordofones perante a organologia?

Como parte integrante da coleção Universo dos Sons, e parte também do Glossário do nosso BLOG, lançamos com essa publicação uma breve reflexão sobre organologia. Hoje uma relação dos instrumentos musicais Cordofones!

O primeiro tratado a respeito da Organologia provém do belga Victor-Charles Mahillon, que publicou o Catalogue déscriptif et analytique du Musée Instrumental du Conservatoire Royal de Musique de Bruxelles”, ainda no século XIX.

Desde então identificamos os instrumentos pela forma de emitir som – se por cordas, ventilação humana, membrana com e sem altura definida, ou seja, a análise da sonoridade obtida por cada combinação disposta em um instrumento musical, o que reflete o estudo da organologia.

Alguns anos atrás fiquei abismado que músicos, educadores, graduados e mestres, doutores, desconheciam o termo organologia. E o pior desconheciam o estudo da organologia. Desconheciam completamente o assunto, e confundiam organologia com arranjo e instrumentação. Organologia não é instrumentação, não é arranjo, organologia observa os instrumentos individualmente.

Evidentemente o estudo da Organologia avançou em parâmetros e análises, que representam a consolidação do pensamento musical ante o que se considera primário na emissão do timbre individual.

Dessa forma os instrumentos também passaram a ser identificados pela função que exercem, passo que difere em cada agrupamento: se melódica, harmônica, rítmica, ou combinadas.

A equidistância dos dois pensamentos parece mais útil para a formação do músico. Observar o instrumento perante a música, não isoladamente.

Os cordofones

Para a primeira publicação da série vamos falar dos cordofones que são instrumentos capazes de emitir alturas através de diversos mecanismos como o pinçar, a fricção, e até a ação percussiva, a partir de um corpo elástico, ou seja, uma corda.

A forma de se obter som se relaciona diretamente com a sensação de timbre. E dessa forma a partir de corpos elásticos, que até possui variáveis oriundas da técnica expandida, os instrumentos são novamente qualificados em três grandes grupos: Cordofone pinçado, Cordofone percutido ou Cordofone friccionado.

O violão, o cravo, a guitarra elétrica, o contrabaixo elétrico, a harpa estão em proximidade quanto ao timbre, mesmo um deles possuindo teclas. Todos eles são instrumentos cordofones pinçados.

Cravo e piano?

Embora estejam relacionados pela menção histórica, as teclas não definem família para a organologia. O teclado eletrônico, acordeom, piano, cravo, escaleta, orgão, todos dotados de teclas, possuem definições organológicas distintas. A forma que cada um desses instrumentos emite as alturas diverge, um por pinçar, outro pelo movimento da ventilação humana, outro em percutir.

Dessa forma piano e cravo são cordofones, o primeiro cordofone percutido, e o segundo pinçado.

Friccionar

A fricção define a ação habitual do violino, viola, rabeca, contrabaixo acústico e o violoncelo, que podem surgir momentos pinçados, mas vale ressaltar que o timbre consolidado na análise organológica pontua ao ato de friccionar por ser sua maior característica ao tocar.

O contrabaixo acústico no estilo jazzístico potencializa sua execução totalmente ao ato de pinçar. A organologia tradicional não prevê essa variação estando o contrabaixo na família das cordas friccionadas, embora sua execução da música popular o deixe mais próximo ao instrumentos cordofones pinçados como o violão e a guitarra.

A organologia contribui diretamente a prática do arranjo e da instrumentação. Aproveite! Vamos conhecer mais no infográfico abaixo!

Possuímos um curso de arranjo que prevê o estudo da organologia, saiba mais aqui!

Ou seja, conhecer os instrumentos para criar, não criar sem conhecer os instrumentos.

O Souza Lima possui em seus programas técnicos, na faculdade e pós-graduação estudos voltados para o conhecimento dos instrumentos. Vale a pena conferir e conhecer as propostas pedagógicas de nossa instituição

#VemProSouzaLima

Aproveite o infográfico dos instrumentos cordofones.

SHARE
Previous articleComo planejar minha carreira como músico?
Next articleQuando precisamos ser autodidatas em música?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. Coordena as unidades Moema e Alphaville desde 2010. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Seus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/