O que é um dominante secundário?

Dominante secundária

O que é um dominante secundário?

A teoria dos dominantes secundários parte da afirmação que todo acorde (exceto a estrutura meio diminuta – tríade diminuta com sétima menor) possui sua própria dominante.

O acorde dominante da tonalidade é chamado dominante primário ou dominante primária. Justo posto se os demais acordes terão sua própria dominante, quase que em totalidade, serão assim dominantes secundárias.

Algumas características de uma dominante secundária:

  1. A fundamental do acorde é uma altura diatônica.
  2. A terça do acorde dominante secundário será sensível artificial para a tônica do acorde com que o dominante se relaciona.
  3. As extensões de uma dominante secundária são diatônicas.

Vamos agora representar em pauta as três características para aperfeiçoar a visualização?

Dominante secundária

O acorde dominante do primeiro grau é uma dominante primária. Os outros cinco acordes possuem cada qual sua dominante secundária.

Observe que as dominantes secundárias compõem novos tritonos, sempre constituído com a sensível ascendente artificial. A única exceção está no dominante do quarto grau, que estabelece o tritono mediante alteração descendente na sétima.

As estruturas serão chamadas de V7/IIm7; V7/IIIm7; V7/IV7M; V7/V7; V7/VIm7.

Dentro do sistema diatônico é possível estabelecer apenas seis tritonos. Ou seja: um mesmo trítono está em dois acordes dominantes, para agora somados os dominantes secundários temos presentes os seis trítonos possíveis para o sistema diatônico irrigando a prática musical.

Algo muito importante é perceber que estamos tratando de uma questão prática, pela maneira que as músicas se comportam já há alguns séculos.

Nos faltou agora tratar a terceira característica, as extensões de uma dominante secundária são diatônicas.

Dominante secundária

Dentre as estruturas do acorde avaliado, A7, como V7/IIm7, as extensões que ocorrem são nona maior, nona aumentada (enarmônica da terça menor, observe que na de dó passamos para si sustenido para caracterizar a nona), décima primeira justa (nota evitada, já que terça maior e quarta justa não coexistem sem descaracterizar um acorde), e décima terceira menor.

Então V7/IIm7, no caso A7, poderá atuar com nona maior e décima terceira menor, ou com nona aumentada e décima terceira menor.

Gostou da publicação? Tem mais!

Vamos escutar a ação do dominante primário em uma composição musical? Aqui são apenas dois acordes, o primeiro grau e o quinto grau, nessa brilhante composição cantada por Paulinho da Viola.

O movimento é perceptível! Exclama a alternância entre o dominante primário e o acorde tônico. A evidente movimentação é muito comum na composição popular, de origem mais folclórica ou urbana fonográfica.

O dominante secundário mais utilizado é o V7/II. Está praticamente em todas as composições populares do gênero Axé, desses que parecem um samba baiano, algo próximo justamente ao samba de roda.

O som da progressão se estabelece de maneira muito clara: I V7/II IIm7 V7.

O V7/IV por sua vez tem sua compreensão muitíssimo clara na composição O Sol Nascerá, de Cartola e Elton Medeiros. Logo no começo “A sorrir eu vi”, na sílaba SO está o V7/IV. Lindamente abrindo a composição para o IV grau.

O IV grau através de seu dominante secundário é explorado como região de tonalidade, da mesma maneira que o VI grau, ambos trazem uma variação propícia para a composição musical desde meados do período barroco. Nesta composição ainda há o V7/V, ingressando na letra na parte do LEVAR a vida. Bonito também!

I V7/IV IV V7/V IIm7 V7

Hoje eu vi minha nêga! Coisas do mundo minha nêga, obra prima de Paulinho da Viola, é a obra que nos traz para a percepção o dominante secundário V7/VI e o V7/III – ambos incrivelmente compostos na obra do artista.

O trecho “que a sorte nunca lhe chega” passa pelo V7/VI chegando realmente ao VI grau e a percepção que oferece. O início todo tem incluso o V7/II na mesma progressão do Axé que ouvimos a pouco.

No trecho “Perguntou se eu não dispunha” há um V7/V. Entrando na sílaba PU.

Para que no trecho “Foi um samba sincopado”, na sílaba PA se estabeleça o V7/III. Feito!

Isso não é teoria, isso é música!

Compartilhe! E #VemProSouzaLima

Publicado em setembro de 2019, ampliado e revisado em 16 de outubro de 2020.

SHARE
Previous articleComo inverter um intervalo musical?
Next articleO que é uma Orquestra Sinfônica?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. Coordena as unidades Moema e Alphaville desde 2010. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Seus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/