O que é Streaming de música?

Sem medo de parecer presunçoso: streaming de música foi a salvação do mercado fonográfico central – as megacorporações do entretenimento fonográfico respiraram aliviadas com a invenção do streaming.

A priori streaming é um meio tecnológico de se compartilhar dados utilizando a internet, com qualidade e rapidez. Stream em inglês significa riacho, assim streaming em analogia corresponde a um fluxo contínuo de informações.

Para a forma de se apreciar música o streaming representa um empréstimo. Não existe aquisição como havia na compra de mp3, ou de cds, lps, ou fitas.

A assinatura de determinado streaming concede acesso a um banco de dados com milhões de fonogramas, mas é claro, enquanto está pago.

Spotify, Deezer, iTunesMusic, Napster (hoje em dia),  até mesmo o Youtube são alguns exemplos de acesso a música via streaming.

Alguns atuam com propaganda. Outros com assinatura.

Para a música independente o streaming ao mesmo tempo que representa um compartilhamento espetacular de informação em plano global, representa um caos financeiro, principalmente para os pequenos selos e gravadoras.

Financeiramente o streaming gera renda considerável a partir de milhões e milhões de audições o que beneficia as megacorporações, os pequeninos como minha gravadora BAC Discos, tem sofrido muito com este sistema.

Comemoramos ser ouvidos por trinta mil pessoas ocasionalmente, mas a reversão monetária desse “sucesso” é irrisória.

Veja que a bancarrota do mercado fonográfico central, e a diminuição para quase zero de lojas especializadas de produtos físicos constituíram um desfalque ainda sem resolução, em comércio de discos, cds, dvds, onde muitos perderam milhões, a música independente só perdeu milhares com a inutilização do CD e esses milhares não encontraram meio de retorno.

O mercado independente hoje se escora em leis de incentivo no Brasil. No estado de São Paulo nos PROACs ou em leis municipais de cultura espalhadas pelos rincões do Brasil…

O Streaming Spotify, primeiro aplicativo popularizado no perfil, completa dez anos nesse 2018, e o que parecia e de fato é muito bom – em qualidade de áudio, praticidade, causou uma nova encruzilhada justamente aos que mais precisavam. Como o Mercado independente vai se reinventar?

Por hora colecionando prejuízos ou vivendo as custas do estado?

O mercado independente chegou a mais ouvidos, o que faz desses acessos financeiramente, no entanto, não ocupa as finanças de cem CDs vendidos.

A história com Streaming é muitíssimo descartável, assim como os celulares de hoje em dia. É o futuro, mas um futuro bem sem graça para os que apreciavam os produtos do mercado fonográfico.

Saudade que dá até mesmo dos cds e suas caixinhas quebradas.

E o que dizer sobre a falta que faz os álbuns, os LPs, e sua ampla informação artística e estética.

OPINIÃO

Como produtor fonográfico as perdas com streaming até aqui são irreversíveis. Em 2015 produzi um álbum e decidi não prensar e vender como produto físico, com ampla esperança no streaming, dinheiro ou investimento perdido. Até hoje 5 anos depois não recuperei 10% do que foi investido com o álbum. Antes recuperava com a venda de 50% do disco prensado e comercializado fisicamente, e o restante era lucro.

Nos dias de hoje essa recuperação por intermédio dos aplicativos de música, os streaming de música levaria 75 anos.

É um desafio interessante ao mercado fonográfico independente de como renovar a relação de custo e retorno e sem diminuir a qualidade da produção, custo-benefício pode ser uma alternativa, mas como recuperar investimento ainda?

Estudar música, estudar produção, decidir fazer arte parece algo incrível, e está aqui um dos maiores desafios contemporâneos.

Se decidir estudar produção musical, temos no Souza Lima o Técnico em Processos Fonográficos com ênfase em produção musical. Saiba mais! 

Agende uma entrevista, eu mesmo coordeno o programa.

#VemProSouzaLima

SHARE
Previous articleO Souza Lima tem VLOG?
Next articleO que falar da trilha sonora de UP – Altas Aventuras?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. Coordena as unidades Moema e Alphaville desde 2010. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Seus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/