O que é música africana?

O que é música africana?

Então, segundo o dicionário Grove de Música: “A África, continente que abriga 350 milhões de pessoa pertencendo a cerca de 3000 tribos e que falam entre 800 e 1000 línguas independentes, é uma das regiões musicalmente mais diversificadas do mundo”.

O objetivo dessa publicação é desalinhar o senso comum da influência da música africana perante a música brasileira. A África passa longe de ter uma única face, e tratar um continente dessa maneira é raiz de muitos dos preconceitos que infelizmente ainda são cultivados.

Vê-se então que quando nós brasileiros falamos de uma influência africana em nossa música passamos um olhar simplista e superficial. A música africana que influenciou a cultura brasileira é costeira como reflexo da colonização escravocrata portuguesa.

A música Africana que ecoa em nossos tambores provém de Guiné-Bissau, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Moçambique. Essa é a África que nos alinha em aspectos musicais.

E como são?

Um continente tão diversificado deve ser tratado como tal, rico que só, repleto de matrizes culturais, que podem até vir a se repetir na indústria fonográfica ou na música escrita, e se não se repetirem são valiosas onde estão.

Como o Brasil, vergonhosamente, foi o último país ocidental a abolir a escravidão, o mínimo que podemos fazer pelas perdas de quatro milhões de africanos trazidos a força em 400 anos de escravidão em nosso país, é agradecer a esses países pela imensa contribuição com nossa cultura.

O agradecimento ideal é pontuar aos países citados, tratando cada um com o devido respeito. Não se trata de reparação, se trata de inteligência histórica, respeito e ética.

O Brasil é em parte África, mas uma África de Guiné-Bissau, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Moçambique, não qualquer África.

Grandes nações são formadas a partir de empatia e gratidão.

Essa música não nos legou apenas ritmos, batuques, e danças. A música dessa África está presente na música brasileira de maneira melódica. Uma forma melódica que contrasta com a virtuosidade instrumental europeia. E o apego as escalas principalmente, e seus graus resolutivos.

Essa melodia tão imperativa para nós, e natural, também provém dessa influência que nos é tão fundamental!

#VemProSouzaLima

SHARE
Previous articleQual a importância do preparatório para vestibular em música?
Next articleQualquer músico pode dar aula?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. Coordena as unidades Moema e Alphaville desde 2010. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Seus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/