O que é MP3?

João Marcondes

MPEG Audio-Layer 3 – ou simplesmente MP3 é um áudio digital com qualidade variada, de origem alemã, codificada, e que surgiu no final da década de 1990 como fonte para distribuição e produção de conteúdo musical.

O sistema de áudio em MP3 se popularizou nos computadores, e a seguir com players modestos, alguns acessíveis, e outros de investimento maior.

Através do uso do áudio digital, gratuito, o MP3 consolidou a bancarrota do mercado fonográfico mundial – antes baseado na comercialização de objetos que continham música – como o fonograma, o disco de cera, o disco de vinil, a fita cassete, e o compact disc – precisaram se reinventar.

Artistas, produtores e empresários não se prepararam para lidar com o avanço do MP3.

A pirataria envolta na produção de fitas cassete caseiras, ou dos cds “virgem”, mostrou-se uma ação banal perto do impacto e da dinâmica que o MP3 trouxe ao mercado da música.

A tecnologia empurrou o mundo fonográfico do início do século XXI para uma encruzilhada. Megacorporações migraram em campo de atuação, outras simplesmente quebraram, abandonaram catálogos. A respiração por aparelhos do mercado, está parcialmente no streaming – assunto para outra postagem.

Compartilhar? Sem custos?

O MP3 e seu compartilhamento rápido via internet mudou novamente a forma de ouvir música em todo mundo. Pelo tamanho que ocupa, a qualidade do áudio decai, logicamente, mas grande parte da população valorizou a gratuidade. E quem pagou a conta?

Artistas é claro. Mas muito também para as mega corporações.

O arquivo digital corta fontes sonoras extremas que compõe a qualificação do timbre, não identificáveis como alturas reais, mas que alteram substancialmente a variabilidade das características do som.

O objeto

Através do MP3 perdeu-se o prazer da manipulação dos objetos do mercado fonográfico -desde os encartes com a totalidade de informações que envolvem a produção de um fonograma até mesmo ao trato com os reprodutores.

Mesmo a enfadonha troca das gavetas de um toca cd, ou o barulho singelo da agulha reproduzindo um vinil, e o engraçado rebobinar da fita cassete com uma caneta esferográfica, dão saudade.

O MP3 deixou a audição descartável.

De certo modo é como se tivéssemos voltado ao tempo, lá entre o início do século XX até meados de 1940, da mesma forma o fonograma existia por existir. Perdido. Solto.

Não havia mais álbum, como hoje já não há.

Não há lado B onde o artista mostra suas próprias escolhas ante a vivência comercial e empresarial de uma gravadora. Bem, que no CD já não havia.

Não há imagem que costure a estética do fonograma.

O MP3 está ali, desnudo, sem capa, sem nada…

Você sente falta dos encartes? Das capas? Do conceito? Do álbum?

Do que você mais sente falta nesse mundo de arquivos digitais?

E agora como é a vida do Napster ao Streaming?

 

SHARE
Previous articleDica #18 – Planejamento de estudo
Next articleUma breve história do Saxofone no Brasil
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville, Ribeirão Preto e Lençóis Paulistas. É idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular (extensivo e semi-intensivo), do Curso Técnico em Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes atua na instituição em tarefas administrativas como assistente de direção, e ainda é diretor da editora Souza Lima. É editor e autor do BLOG Souza Lima, com mais de quinhentas publicações (BR, ES e EN). É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Composições e obras disponível no Spotify, Deezer e iTunes Music.