Música polifônica não é qualquer coisa

Música polifônica não é qualquer coisa

Ando considerando esse texto meio como um manifesto.

Recentemente li uma entrevista de um grupo de artistas da cena paulistana que afirmavam sobre sua forma de produzir música. Essa forma segundo eles consiste em polifonia.

Bom, os argumentos que seguiram na entrevista dos artistas cravaram que de fato não sabiam o que era polifonia.

Polifonia é uma forma de se realizar música típica do período renascentista e barroco, que cessou ou reduziu de maneira importante no advento da homofonia.

Segundo os músicos o fato de criarem inúmeras guitarras tocando pequenas frases que acompanham a voz, como proposta, faria polifonia. Ledo engano meus caros, a ação de acompanhar é típica da homofonia, começa por aqui.

Outra importante observação é que a polifonia desenvolve melodias que se relacionam, sem exercer entre si uma hierarquia de camada como na homofonia – não há uma voz que seja protagonista definitivamente na polifonia. As vozes transitam, surgem e desaparecem, ora faz-se luz quando há o resultado ou o fruto da polifonia: a harmonia. Fato!

Daí os indivíduos usaram um termo para impregnar algo impossível? Sim, é isso.

Como curioso imediatamente fui ouvir os discos produzidos pelos artistas para constatar imediatamente que não havia polifonia alguma. Sequer em um momento.

É possível produzir polifonia em obras fonográficas. É possível ter obras que alternem entre polifonia e homofonia. Ou até monofonia. O fato que para produzir essas diferentes maneiras de se criar música precisamos de conhecimento.

Estamos em uma fase do mundo de conhecimentos muito superficiais, uma leitura em um blog forma doutores de whatsapp, uma assistida de um youtuber forma profundos conhecedores populares. Besteira. Espero que este texto seja um impulso para você curioso abrir um livro, e outro e outro, lê-lo até o fim, e refletir.

E a seguir fazer um curso. Estudar e estudar. Para quando falar de música não sair por aí como esses artistas em um jornal de grande repercussão manchando as páginas com groselha.

#VemProSouzaLima

SHARE
Previous articleExiste preconceito entre músicos?
Next articleQual a importância do preparatório para vestibular em música?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. Coordena as unidades Moema e Alphaville desde 2010. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Seus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/