Música brasileira em métrica ímpar

métrica impar

A métrica ímpar é uma métrica que apresenta um conceito diferente. Uma métrica única, que está fora do  padrão.

Me segue no instagram! @joaomarcondesoficial

A métrica ternária, por exemplo, como um tipo de marcha-rancho e as valsas brasileiras – ambas tipicamente melodiosas, e com características harmônicas marcantes em tonalidade menor, não estão nesse grupo que pretendo tratar de métricas ímpares.

A guarania sul-mato-grossense e gaúcha, comum no Paraguai, Argentina e Uruguai, também possui métrica ternária, e não faz parte desse grupo ímpar.

Métrica Ímpar Artística

A música reflexiva/artística proposta em métricas ímpares foi introduzida no mercado fonográfico brasileiro a partir da década de 1960. Alguns trios brasileiros, inspirados em alguns modelos de composição norte-americanos, e mais ainda na composição de Igor Stravinsky, e de uma necessidade de expandir a inventividade, compuseram ou adaptaram obras binárias, ternárias, ou quaternárias, para métrica de cinco e sete tempos.

A seguir, o grupo Quarteto Novo estabeleceu um repertório para as métricas ímpares se tornarem realmente abrasileiradas.

Então métrica ímpar como conceito é aquela que reinterpreta uma métrica usual – presente em um estilo ou gênero tornando-a fora do que é padrão.

Um samba em compasso de três tempos. Ou em compasso de onze por dezesseis. Ou um ijexá em compasso de cinco por quatro. Um baião em compasso de sete por oito. E assim por diante.

A música brasileira é dançante. Mesmo com tamanha evolução estética nosso repertório nunca perdeu o vínculo com a sensação de movimento peculiar a dança.

MÉTRICA ÍMPAR NO PLANO DA CRIAÇÃO

– Para atingir êxito na composição de uma métrica ímpar basta promover um ostinato rítmico de métrica binária em um ostinato rítmico interpretado sobre determinada métrica ímpar.

– A criação de um inventário rítmico adaptando a nova métrica contribui maciçamente na adaptação de frases características.

– Componha a seguir um tema em uma forma simples.

– Pratique em andamentos diversificados.

– Adapte alguns standard de música brasileira para a métrica pretendida. Lembrando que podemos adaptar um samba para uma métrica ternária tanta quanto um choro.

– Dessas variações improvise ou arranje usando a voz ou seu instrumento para assimilar completamente a ideia da nova rítmica. Pronto. Repita o processo no estudo.

No meu álbum “Descompassado” de 2014, desenvolvi esse conceito de transformação inspirado no ijexá. Passando de quatro para cinco pulsos, quaternário para quinário em métrica.

#VemProSouzaLima aqui se estuda métrica ímpar!

SHARE
Previous articleO que é marcha-rancho?
Next articleComo é trabalhar como músico?
Primeiro me segue no instagram: joaomarcondesoficial! Eu sou o Professor João Marcondes! Sou coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Também coordeno programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. E coordeno as unidades Moema e Alphaville desde 2010. Também atuo na instituição em tarefas administrativas, como assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. Sou autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Meus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. Sou educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/ Segue no instagram; https://www.instagram.com/joaomarcondesoficial/