Escrever em uma cifra sustenido ou bemol é a mesma coisa?

Escrever em uma cifra sustenido ou bemol é a mesma coisa?

Escrever em uma cifra sustenido ou bemol é a mesma coisa?

Não! Não é!

Um acorde possui função, e a função responde a sua origem. A origem do acorde estipula se é sustenido ou se é bemol.

Vamos a um caso material. Uma música em dó maior apresentou um conjunto de acorde com as notas ré bemol – fá – lá bemol e dó, ou os enarmônicos – dó sustenido, mi sustenido, sol sustenido e lá sustenido.

Afinal o acorde é dó sustenido maior com sétima maior ou ré bemol maior com sétima maior?

O papo é simples! E precisa pouco para esclarecer.

Uma música usufrui de estruturas compostas na tonalidade e sua escala peculiar, de acordes provenientes de seu relativo, e de empréstimos modais vide paralelismo entre fundamental e outros conjuntos.

Dó maior é paralelo de dó menor primitivo ou dó eólio, então pode usufruir mesmo que momentaneamente e sem afetar a percepção da tonalidade de alguns acordes no tom. Não se trata de teoria e sim da prática musical que observamos. A teoria analisando a prática.

O mesmo poderia ocorrer em dó maior emprestando um acorde de dó frígio, dó dórico, dó lídio ou dó mixolídio. Um empréstimo conota a origem da estrutura.

Como se comportou o conjunto?

O caso então do conjunto proposto, ele surgiu isoladamente e prosseguiu a encadeamentos da matriz ou adjacentes? Ou se trata de um movimento de estrutura constante?

  • Se for isoladamente é um empréstimo modal frígio em dó maior, então o acorde será em dó maior, ré bemol maior com sétima maior.
  • Se for o acorde maior com sétima maior se movendo entre dó e ré maior, no movimento ascendente de estruturas constantes o acorde em questão será dó sustenido maior.

Escrever em uma cifra sustenido ou bemol não é a mesma coisa.

Simples assim! Pena que muitos não tem esse conhecimento e colocam qualquer coisa na partitura que produzem. Fica a dica! E dá para ampliar muito mais o argumento. E antes então de colocar qualquer coisa em sua partitura que tal refletir um pouco? Faça o que não fazem editores e editoras criando um colapso de conhecimento.

Basta estudar para ver!

#VemProSouzaLima

SHARE
Previous articleO que é uma barra de finalização?
Next articleNa música há doze notas?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville e Ribeirão Preto. Também é idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music.