É correto afirmar que o semitom é a menor distância da música ocidental?

É correto afirmar que o semitom é a menor distância da música ocidental?

É correto afirmar que o semitom é a menor distância da música ocidental?

Então, é correto afirmar que o semitom é a menor distância pautada da música ocidental, para com o sistema temperado, que divide uma oitava em doze semitons.

Fato que a estrutura de uma obra musical escrita pode apresentar orientações interpretativas que para a percepção simulem distâncias menores que uma oitava.

Quando um guitarrista toca um BEND, técnica também possível e bastante típica para instrumentos como trompete e trombone, ele passa por distâncias menores que um semitom.

O mesmo ocorre com cantores e cantoras que ao interpretar deixam a afinação oscilar como meio de expressão.

Essas oscilações são menores que um semitom.

Até mesmo um violonista ao interpretar obra escrita gera vibrações menores que um semitom em determinados vibratos – para preservar a duração e contribuir com a expressão artística.

Feito! É disso que estamos falando!

Embora a música ocidental pautada utilize do semitom como menor distância pautada, há como vimos variações comportamentais expressivas que movimentam as alturas em distâncias menores.

Está aí, uma consideração válida sobre o que ouvimos tanto na música escrita quanto a do mercado fonográfico.

Vanguardas

A afirmação que originou essa publicação trata da música escrita até o princípio do século XX – renascentista, barroca, clássica, romântica, impressionista, neorromântica, e até a música dodecafônica.

A música dodecafônica utiliza dos doze semitons em sua organização peculiar.

As Vanguardas a partir da década de 1940 passaram a utilizar de distâncias menores que um semitom para criar experienciais sensoriais, composições muito artísticas.

Essas composições atuam no campo da percepção promovendo sensações com que um purista chamaria de meras “desafinações”.

Que culpa eu tenho se o piano não pode criar situações, a priori, para promover variações em suas alturas?

Veja que uma afirmação categórica serve para cercear o pensamento, e aqui em nosso BLOG, através das minhas publicações procuro justamente o oposto – abrir o pensamento.

Vamos nessa! Quem sabe nos vemos em algum de nossos programas?

#VemProSouzaLima

SHARE
Previous articleComo tem sido a rotina dos músicos em meio a pandemia?
Next articleComo se demonstra em partitura a troca de uma parte ou seção de uma música?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. Coordena as unidades Moema e Alphaville desde 2010. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Seus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/