De onde vem o violão de 7 cordas?

De onde vem o violão de 7 cordas? 

O violão de sete cordas é um instrumento emblemático da cultura brasileira. Antecipadamente é preciso dizer que o Brasil não criou muitos instrumentos, mas aqui redefinimos linguagem. E ao contextualizar o instrumento em nossos ritmos, estilos e gêneros o recriamos.

Com o violão de sete cordas não foi diferente.

O instrumento é responsável por fazer passagens da estrutura composicional – de uma seção A para um seção B, preparações para outros graus, passagens para dominantes secundários, contracantos melódicos, mesmo que seja para o acompanhamento como um todo.

O violão de sete cordas não teve origem no território brasileiro e pouco se sabe sobre sua introdução no território nacional de fato.

A organologia – ciência que estuda os instruementos musicais – cita que a origem do violão de sete cordas é russa do período entre 1890 e 1920, tendo sido desenvolvido com o objetivo de servir à música local com movimentos de baixo marcando o pulso.

Sim, o sete cordas é como uma guitarra russa.

No Brasil, o violão de sete cordas começou a ser usado na década de 1930. Pode ter sido por inspiração e pedido de um luthier.

Meira e Tutti são os patronos do violão de sete cordas, que porém na linguagem atingiu o ápice nas mãos do violonista Dino 7 cordas nas décadas seguintes.

Os movimentos típicos do instrumento e suas preparações que se reproduzem no violão de sete cordas, em espécie vieram da prática do saxofone tenor.

Esses movimentos foram criados por Pixinguinha a partir da substituição, por razões de saúde e fisiologia, de seu instrumento original – a flauta, pelo instrumento mais grave.

No saxofone tenor Pixinguinha desenvolveu um fraseado em região quase idêntica ao violão, que respondia à melodia central do então flautista Benedicto Lacerda realizada o substituindo.

A cada nova frase composta, uma linguagem comum se desenvolvia aderindo ao conjunto de valores musicais que mais tarde estabeleceram o violão de sete cordas do Brasil.

Do choro, a frase e o violão de sete cordas migraram para o samba por meio do tipo de agrupamento conhecido no Brasil como conjunto regional – do grave ao agudo – com violão de sete cordas, violão de seis cordas, cavaquinho e pandeiro. Com solista como bandolim, flauta, clarinete, trombone, voz e outros. Além de complementos rítmicos como bateria, reco-reco e surdo.

No samba, o violão de sete cordas ganhou algumas características novas e foi sutilmente separado do choro, realizando mais frases e menos pontuações de inversões de baixo.

Para o estudo do violão de sete cordas existe um repertório de domínio específico, também vídeos nas plataformas e alguns livros publicados. Entrar na discografia é, sem dúvida, o ponto principal para se desenvolver no instrumento.

Quem deve conhecer?

Muitos arranjos usam essa linguagem para obras e adaptações de outros instrumentos. O que é correto. O mesmo para os compositores. Conhecer essa prática é um excelente passo para fazer música brasileira. Vamos para os estudos.

Foi meu primeiro instrumento, ao me profissionalizar em São Paulo.

(962) Mistura Brasileira (Joca Freire, João Marcondes e Guilherme Lacerda) – YouTube

SHARE
Previous articleDe onde é cada ritmo brasileiro?
Next articleComo é para um estrangeiro estudar música no Brasil? Entrevista 1
Primeiro me segue no instagram: joaomarcondesoficial! Eu sou o Professor João Marcondes! Sou coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Também coordeno programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. E coordeno as unidades Moema e Alphaville desde 2010. Também atuo na instituição em tarefas administrativas, como assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. Sou autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Meus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. Sou educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/ Segue no instagram; https://www.instagram.com/joaomarcondesoficial/