Dá para se formar músico pela internet?

Dá para se formar músico pela internet?

Com o advento da internet construiu-se um elo fundamental das informações, conhecimentos e experiências. Nunca na história da humanidade o conhecimento se estabeleceu com tamanho acesso. Como então negar a importância do que é online ante a vivência presencial?

Difícil negar, mas precisamos estabelecer alguns pontos.

Primeiro que costumo dizer que estudar sozinho é montar um quebra-cabeça que não sabemos bem certo a imagem. Vamos juntando uma pecinha ou outra, e nos perdendo a seguir.

Nós músicos e educadores potencializamos nossas criações seguidamente em canais de youtube, instagram, páginas pessoais e de redes sociais. Blogs, revistas online. Revistas acadêmicas.

Divulgamos trabalhos como meio de perpetuar ou propor desenvolvimento. E mesmo sem ter a questão da formação como matriz operacional, propiciamos que a internet seja um substancial mecanismo de aprendizagem, contribuindo com uma enxurrada de conhecimento ofertado.

Muito conhecimento pode levar ao ápice, mas pode também confundir.

A internet age com um poder sobrenatural, de fato muito está ali, mas se não sabemos direcionar o conhecimento que precisamos, pouca significado se obtém. A formação se dá por repetição e organização metodológica, tanto quanto na troca de experiências e reflexões.

Aonde estamos na matriz operacional do saber humano? Nos realizamos com manchetes ou procuramos profundidade? 

O que o presencial oferece que o online tem dificuldades para oferecer?

Quanto procuramos profundidade um curso específico presencial tem mais chances de nos atender. O presencial para a formação do futuro músico profissional é muito relevante, o contato com outros músicos ou estudantes, e com pessoas que gerem o conhecimento.

O professor é um propulsor de uma formação continuada, reflexiva, observatória, e que se dá de forma muito diferenciada em um programa presencial.

A música usufrui de um aprendizado misto – algo que reflete a oralidade tanto quanto a tradição escrita. Mais um ponto propício: Aprender coletivamente faz parte de um processo fundamental para a formação do músico profissional. Vivenciar. Observar.

Nos encontramos nas dificuldades do outro. Nos revelamos. E em uma pergunta que não faríamos, esclarecemos nas dúvidas do outro o que nos será transformador.

Como então descartar um curso presencial?

Quando precisamos de algo pontual a internet nos atende imediatamente. Mas quando precisamos de algo diferencial, precisamos de uma instituição, curso, programa, ou professor, que nos oriente presencialmente. Especificamente até…

Nós precisamos nos renovar, em encontros, cursos, congressos, palestras, especializações. Orientações. Master classes.

Presencial sem descartar o online é onde encontramos sumariamente nosso diferencial. É possível se formar músico com ambas ações.

A carreira do futuro músico profissional agradece!

Mas e se quero apenas ser instrumentista?

Um amigo instrumentista erudito de valor importante, passava quatorze horas tocando piano diariamente, um músico incrível. Certo dia nos encontramos, era sexta-feira, ele já com quarenta e poucos anos, e eu devia estar com dezoito ou dezenove.

Ensaiamos, era uma obra de música de câmara. Ao fim da primeira jornada de ensaio propus comermos um pastel. Ele meio inseguro topou.

Sentamos em uma banca de pastel, dessas de feira de rua, que tem muito em São Paulo. Ele estava todo receoso. Não sabia o que pedir, não sabia se faria mal. Não sabia nada, definitivamente. Comeu um pastel de carne e um caldo de cana como se fosse caviar, saboreando cada centímetro.

Eu estava meio pasmo, na verdade. Estudei entre os quatorze e vinte e dois anos, cerca de oito horas por dia, mas sem abrir mão de conviver, de tocar, de estar com outros músicos, e nesses contatos aprendi muito.

No final, voltamos ao ensaio, tocamos, mas não sem antes ele comentar que tinha sido a experiência mais legal que teve nos últimos anos, e a partir dali todo ensaio de sexta ele queria repetir. No pastel, como falamos aqui, falávamos de música mas de outra maneira, e ali apareciam dúvidas, escolhas, gestos, coisas que amamos.

Outras pessoas se reuniam conosco e falávamos de novos episódios da música. Comprar cursos e mais cursos online não vai te formar músico, estudar muito sozinho um instrumento vai te deixar Expert como instrumentista, mas isso é parte do que é ser de fato músico.

#VemProSouzaLima 

SHARE
Previous articleQual impacto do MP3 no mercado fonográfico?
Next articleO Souza Lima tem VLOG?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. Coordena as unidades Moema e Alphaville desde 2010. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Seus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/