Como organizar um fonograma quanto a parte artística?

Como organizar um fonograma quanto a parte artística?

Como organizar um fonograma quanto a parte artística?

Meu nome é João Marcondes e sou compositor, produtor musical e arranjador. Atuo também como coordenador pedagógico do Conservatório e Faculdade Souza Lima e em especial no programa técnico em Processos Fonográficos com Ênfase em Produção Musical.

Entendo que atuar como produtor musical é obrigação para quem quer ensinar algo referente a área. Me sinto tranquilo para dividir experiências pelos mais de cinquenta álbuns produzidos, programas e especiais de televisão, trilhas sonoras de publicidade e artísticas.

Para organizar um fonograma quanto a parte artística em primeiro lugar é definir a obra que se pretende produzir, e quais tipos de inserções ou conversações com a indústria fonográfica esta obra possui.

De cara compreendendo como a obra que se pretende produzir interage com o mercado, conseguimos definir os aspectos cruciais do fonograma que planeja realizar.

Concluído o primeiro passo, trata-se agora de organizar a instrumentação do fonograma. Essa primeira análise é a instrumentação geral que inclui os instrumentos que compõe o agrupamento que se pretende consolidar no fonograma.

Por exemplo: Voz, guitarra, contrabaixo e bateria.

Perfeito! O tradicional POWER TRIO possui ampla referência estética para consolidação de uma obra fonográfica, de maneira positiva podemos extrair o que pretendemos como parte da produção inclusive negando certas características.

Definida a instrumentação está na hora de consolidar o mapa. Que tipo de introdução pretendemos realizar? No meu livro INTRODUÇÃO A PRODUÇÃO MUSICAL cito quatro espécies fundamentais: 1| Introdução Melódica; 2| Introdução Harmônica; 3|Introdução Rítmica; e 4| Introdução por efeito.

As introduções podem transitar partindo de uma espécie e caminhando para uma segunda, ou até mesmo todas – se bem articuladas.

No mapa agora precisamos saber como é a música que se pretende gravar e quantas partes ela possui. Legal, uma música AABA, introduzida por oito compassos, sendo repetida duas vezes.

Mapa definido

A seguir, o que teremos de maneira intermediária na composição. Sim, é mais um fato para a composição do fonograma que em meu livro chamo de Interlúdio – quando se trata de uma parte que já foi de alguma maneira apresentada; ou de solo – quando é algo que renova os ares do fonograma, podendo o solo ser de arranjador ou ainda oriundo de improvisação.

Após o solo a música é retomada da parte B, reapresentando o A. E como finaliza?

A finalização será por coda – uma seção que atribui variação para algo que já foi apresentado. Poderíamos ter opção de finalizar por fade out, ou por convenção, como sugiro no livro, mas tudo bem.

Perfeito, o momento final de organização fonográfica é o de organizar as camadas. Definindo então quem será protagonista na introdução, nas partes da música, no interlúdio, na retomada, e evidentemente na finalização.

Tudo em ordem agora!

Algo bem planejado resume os gastos com hora de estúdio e produção mal direcionada.

Se aproveita melhor os músicos que podem ser remunerados de maneira correta e proveitosa.

Contratar um arranjador ou um produtor musical pode parecer caro, mas na verdade caro é gastar rios de dinheiro em horas de estúdio diluídas por meses sem que se perceba o tamanho do rombo nas contas da produção.

PLANO E AÇÃO

Saber planejar e agir é parte da minha atuação, e por esse motivo fundei o programa técnico da instituição especializado em produção musical. O Souza Lima com todo seu desenvolvimento e técnica foi capaz de observar o mercado e com profissionais atuantes renovar os quadros de desenvolvimento profissional.

Avalie bem, o processo seletivo ocorre em dois momentos do ano, dezembro e janeiro e junho e julho. Me escreva um e-mail se tiver interesse em conhecer o livro ou quem sabe estudar de maneira individual esses conteúdos.

Esse conteúdo é assunto da matéria INTRODUÇÃO A PRODUÇÃO MUSICAL, do primeiro ano do programa técnico, reconhecido pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Saiba mais!

joao.marcondes@souzalima.com.br

#VemProSouzaLima

SHARE
Previous articleComo fazer uma crítica musical?
Next articleQual a importância do músico construir uma identidade?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. Coordena as unidades Moema e Alphaville desde 2010. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Seus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/