Como descrever a felicidade como profissional da música?

Como descrever a felicidade como profissional da música?

Dia desses um conhecido alardeou que estava mal com seu trabalho, insatisfeito, se sentia exausto. Só com ele falando dava pra sentir suas dores de cabeça diárias.

A questão central dele não era financeira. Seu salário mensal, segundo o próprio, era mais que necessário para custear uma boa vida, e ainda poupar.

Logo ele me arguiu sobre como eu me sentia com meu trabalho.

Eu disse que me sentia pleno. Ele já na devolutiva entendeu que o motivo era uma excelente remuneração, que na visão dele eu recebia. Entendi seu ponto de vista de algum modo, mas minha resposta para ele foi de como descrever a felicidade como profissional da música.

Ser feliz com sua profissão está em independentemente da remuneração, havendo ou não, meu trabalho é exatamente o que eu faria se não houvesse mais dinheiro ou questões associadas a isso no mundo.

Sacou?

Esse é o ponto. É ser médico por amar cuidar, tratar, atender o próximo, não por segurança financeira. Ou se tornar publicitário por amar desenvolver produtos, embalagens, memórias, não remuneração. Ou advogar por considerar a justiça algo nobre.

É assim que me sinto como músico nas diversas funções que exerço. Independentemente de quanto é minha remuneração, sou feliz com todas as ações que desenvolvo – algo que me eximi de qualquer insatisfação profissional.

Antes que saiam por aí me chamando de comunista – que não sou, entendendo que os profissionais se diferenciam por qualidade devendo ser remunerados de maneira diferente. Mas mais do que isso ainda entendo que devemos procurar felicidade.

Repito a música é exatamente o que eu faria se não houvesse mais dinheiro ou questões associadas a isso no mundo.

Dois alunos que orientei deixaram o sonho da música por acordos familiares. Fiquei chateado por saber que o resultado dessa escolha será similar a esse conhecido aqui citado.

No campo das escolhas, amigo, eu apenas coloquei ser feliz em primeiro plano, semeei, e estou em colheita.

#Vem

SHARE
Previous articleO acorde mantém sua função se invertido?
Next articlePara compor músicas, eu preciso tocar um instrumento?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. Coordena as unidades Moema e Alphaville desde 2010. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Seus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. É diretor e fundador da gravadora BAC Discos! www.bacdiscos.com/