Como apreciar música sendo músico?

Como apreciar música sendo músico?

Está aí uma das minhas maiores dificuldades. Sabe aquele momento de se desligar e só curtir um som ao vivo? Apreciar música ao vivo quase que desapareceu. Ou seja, já adianto que não tenho resposta para a pergunta de como apreciar música sendo músico.

Sei que alguns amigos acham exagero. Outros sei também que não ligam ou não percebem música com preciosismo, segundo eles. Eu até duvido.

Vou descrever minha dificuldade:

Primeiro eu particularmente não considero preciosismo, apenas tenho dificuldade de apreciar duas horas de um show que em menos da metade já está ruim, ou de ficar em um show que tem muita coisa desafinada ou com som mal equalizado.

É um grau de exigência alto, é verdade, mas prefiro chamar de o encontro entre conhecimento e expectativa. E justamente nesse ponto é que dá bode.

Sabe? Vou descrever algumas situações:

Fui em um show de um dos que consideramos dos maiores instrumentistas brasileiros da atualidade. Ingresso caro. Show lotado. Na terceira música fui embora. A combinação de instrumentos era péssima. Não havia respiração. Não havia sustentação de notas. Desisti. E aproveitei minha hora livre apreciando uma exposição.

Imagine que nessa altura do campeonato, no caso, da história da música, quantas combinações de instrumentos já foram realizadas? Daí se coloca um instrumento de cordas pinçadas de registro alto, um de cordas friccionadas tocado em pizzicato de registro grave e que poderia usar arco para expandir a projeção de harmônico, e uma percussão, e não se preocupa com as nuances básicas, não aguentei. O som não ornava. É uma questão pessoal.

Fotos não tem som.

Adoro cinema mudo.

Vejo futebol na TV com som desligado.

Prefiro tocar qualquer coisa ou ouvir internamente do que colocar um fone de ouvido nas orelhas.

Trata-se de um caso em especial, infelizmente amigo leitor não tenho resposta para sua pergunta: Como apreciar música sendo músico?

Quer dizer então que não escuto música Ao vivo? Escuto, sempre dou oportunidade para conhecer, ouvir, estar presente, só que me dou o direito de levantar e ir embora se não houve conquista.

Não acredito que é uma doença de músicos, embora conheça outros musicistas com o mesmo problema.

Quando toca música de elevador, em uma subida de poucos andares, já me pego pensando na forma, no tom, a instrumentação… O ouvido do músico não para, então o melhor mesmo é o silêncio, uma grande música gravada, ou um grande show executado, sem mediocridades.

SHARE
Previous articleSobre um método e outras comemorações
Next articleQualquer escala cria campo harmônico?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville, Ribeirão Preto e Lençóis Paulistas. É idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular (extensivo e semi-intensivo), do Curso Técnico em Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes atua na instituição em tarefas administrativas como assistente de direção, e ainda é diretor da editora Souza Lima. É editor e autor do BLOG Souza Lima, com mais de quinhentas publicações (BR, ES e EN). É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Composições e obras disponível no Spotify, Deezer e iTunes Music.