Como iniciar uma aula de violão?

Iniciar uma aula de violão parece tarefa fácil. Muito se fala sobre o violão como o instrumento mais fácil de se aprender, o que não é verdade. A promessa que será rápido em um aprendizado proveitoso e em pouco tempo a aula de violão trará resultado, mas será?

Sim. Em um nível básico o resultado do violão pode ser rápido como prometem cursos online e as antigas revistas.

Tocar violão sem professor não é nada novo também vale ressaltar. Aprender violão sem professor é algo antigo que os vídeos do youtube apenas repetem a promessa surgida desde o final da década de 1970 com cursos em fitas k-7. Coleções muito bonitas e organizadas. Depois vieram as vídeo-aulas e DVDs! Vixe!

Mas a aula de violão é algo que possui complexidade maior do que aprender apenas meia dúzia de acordes. O violão em um nível de execução avançado está entre os instrumentos com mais nuances de timbres, sonoridades, técnicas e efeitos.

Pode-se dizer que o violão é o instrumento mais fácil de se tocar mal, e dos mais complexos para se obter domínio pleno. Um pouco radical ao que parece, mas quem estudou a fundo o violão confirmará tal afirmação.

Uma aula de violão deve introduzir repertório e práticas características do instrumento.

Uma aula de violão deve introduzir as diferentes espécies de técnicas. E registros do instrumento – do pop, rock, fingerstyle, bossa-nova, improvisação jazzística, ou choro. A introspecção e intensidade do violão erudito possui ainda mais refinamento em contraposição da virilidade do violão flamenco.

Qual aula de violão se adequa a seu perfil? E para tal que professor será ideal?

Quer ser violonista ou tocar um pouco basta?

Ao violão improvisado de Lula Barbosa? Ou de Hélio Delmiro?

A linguagem inventada de João Gilberto para toda canção?

Ao violão erudito de Fábio Zanon, Turíbio Santos ou do Quaternaglia?

Ao violão pop de um Nando Reis? Cássiar Eller?

Ao violão brasileiro de Raphael Rabello, Dilermando Reis, Luís Bonfá e Baden Powell? Ou o virtuosismo de Yamandú Costa?

Ao violão do choro, 7 cordas, de Meira, de Dino 7 Cordas, Rogério Caetano ou Carlinhos 7 cordas?

Isso até aqui para falar apenas dos brasileiros!

E do Flamenco de Paco de Lucia? Da Obra de Segovia ao violão erudito de todos os tempos. Francisco Tárrega, Heitor Villa-Lobos, Abel Carlevaro ou Léo Brower.

O violão é o instrumento mais popular do mundo. Viola grande, que para todas as nações é nomeado guitarra clássica, no Brasil ganhou nomenclatura própria assim como linguagem.

Violão das rodas de amigos. Do dia a dia. De mobilidade invejada pelos pianistas. Das praias, bares, palcos…

Que aula de violão deseja?

Cada especificidade estética requer um especialista.

Primeiro passo ouvir suas possibilidades.

Procurar um curso que se adeque a você como apreciador e sua agenda.

Compreender os processos que envolvem a prática do instrumento.

Organizar o tempo para estudar música.

Aproveite! E vá a fundo no que concerne o aprendizado do instrumento do violonista.

Viva o Violão!

#VemProSouzaLima

Artigo publicado em 27 de novembro de 2017, ampliado e revisado em 13 de janeiro de 2020.

 

 

SHARE
Previous articleAutodidata em música?
Next articleO que é ostinato?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville, Ribeirão Preto e Lençóis Paulistas. É idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular (extensivo e semi-intensivo), do Curso Técnico em Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes atua na instituição em tarefas administrativas como assistente de direção, e ainda é diretor da editora Souza Lima. É editor e autor do BLOG Souza Lima, com mais de quinhentas publicações (BR, ES e EN). É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Composições e obras disponível no Spotify, Deezer e iTunes Music.