As características do Acordeom

O Acordeom encontrou caminhos inusitados nas Américas, e em especial no Brasil.

De um instrumento para acompanhamento na música italiana, onde o instrumento moderno têm origem, em especial aos cantores, o acordeom já possui expressividade melódica, mas no Brasil adquiriu ritmos desses que definem o fazer musical brasileiro.

Por terras brasileiras a Tarantella italiana está restrita as festas típicas, e sobrevive  sutilmente modificada nos arraiais de junho, das conhecidas festas juninas, que também abarcam os gêneros do forró: o baião, xote, xaxado e arrasta-pé. Nas mãos ritmadas do povo miscigenado brasileiro o acordeom renasceu.

 

No Brasil ou se aprendia acordeom ou piano, para a classe média do início do século XX. Época em que o acordeom foi considerado instrumento de aprendizado fundamental.

Ao povo a percussão e o violão sempre tiveram predileção. Da boemia.

Os horizontes de cada instrumento foram ampliados no Brasil, contribuindo massivamente com o fazer musical brasileiro. O Brasil não criou muitos instrumentos é verdade, mas tudo que emitiu notas em território nacional recebeu linguagem ampliadora – tecnicamente e estilisticamente.

E o Brasil que se reinventa a cada década possui uma linhagem no acordeom com Sivuca, Dominguinhos e Osvaldinho do Acordeom.

Mais recentemente ampliou-se a linguagem do instrumento no Brasil com Toninho Ferraguti – um acordeom que se relaciona intimamente com o jazz, e passeia por variações musicais impressionistas com sobreposições harmônicas entre as teclas da mão direita e os botões da mão esquerda. Que até perdem um tanto a questão rítmica de Luiz Gonzaga, fundador imortal do acordeom brasileiro, para apresentar as típicas harmonias da tradição musical brasileira – de Pixinguinha e Tom Jobim até Toninho Horta e Guinga.

Na última década o acordeom despertou o interesse de músicos jovens, que hoje na casa dos trinta anos estão iniciando a projeção de seus trabalhos artísticos.

INFOGRÁFICO

Vamos conhecer o instrumento, no infográfico especialmente criado para o BLOG Souza Lima, com conteúdo de João Marcondes, eu, que também assino o texto, para design de Jean Forrer.

João Marcondes

SHARE
Previous articleAs características do Violonista
Next articleO que faz um músico?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville, Ribeirão Preto e Lençóis Paulistas. É idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular (extensivo e semi-intensivo), do Curso Técnico em Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes atua na instituição em tarefas administrativas como assistente de direção, e ainda é diretor da editora Souza Lima. É editor e autor do BLOG Souza Lima, com mais de quinhentas publicações (BR, ES e EN). É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Composições e obras disponível no Spotify, Deezer e iTunes Music.