As Características da Flauta Transversal

As características da flauta transversal excedem valores técnicos. A flauta é um instrumento relacionado ao desenvolvimento da humanidade. Provavelmente o primeiro instrumento, como objeto, da música.

A origem da flata remete a pré-história, um instrumento primitivo, descoberto ou pré-concebido de maneira ocasional. Um ancestral soprando ossos de animais, já ressecados, com perfurações das mordidas. Evidentemente um instrumento que foi aprimorado por séculos até se consolidar aos valores do que reconhecemos como flauta transversal, nos dias de hoje

Esse instrumento que faz parte dos agrupamentos mais importantes da música ocidental, é também responsável pela consolidação da família das madeiras. Que reúne instrumentos europeus provindos que também compõe a orquestra como clarinete, oboé, fagote e corne-inglês.

Raízes

A flauta nunca se afastou das raízes da cultura, que hoje chamamos de popular. Mesmo que possua centenas de variações presentes nas diversas culturas da humanidade, o instrumento está tal qual para a música erudita quanto como protagonista do mercado fonográfico. No Brasil, por exemplo, no choro.

No Brasil como não mencionar o pífaro? Uma pequena flauta rústica, transversal, feita de bambu, ou até mesmo em cano PVC, cuja afinação provém de orifícios produzidos mediante o tamanho da mão que tocará o instrumento. Algo artesanal. E que de fato pode se avaliar que já produz desafinação. Tamanha a rítmica e expressividade prevalece um encanto formidável.

Personagens do instrumento no Brasil

Instrumento de Joaquim Antônio da Silva Callado (1848 – 1880), Patápio Silva (1880 – 1907), Pixinguinha (1897 – 1973), Benedito Lacerda (1903 – 1958), Altamiro Carrilho (1924 – 2012), Toninho Carrasqueira (1955), Léa Freire (1957)…

Você conhece as Características da Flauta Transversal?

Aprenda um pouco mais nesse infográfico com design de Jean Forrer, e conteúdo meu, João Marcondes, que preparamos especialmente para você leitor do BLOG Souza Lima.

João Marcondes

Opinião Pessoal

A flauta transversal está como um dos instrumentos mais emblemáticos do fazer musical brasileiro. E não por qualquer motivo, por compor uma história parelha ao desenvolvimento da linguagem musical brasileira. 

Pixinguinha é um dos pilares de nossa música. Através de seu pensamento e criatividade consolidaram-se a linguagem de muitos instrumentos.

A flauta transversal é o instrumento do jovem Pixinguinha, mesmo que depois por questões de saúde tenha migrado ao Saxofone Tenor, o novo instrumento lhe propiciou reavaliar seu posicionamento e construção cognitiva da forma em que se executa a música brasileira. E a flauta consolidou alguns de seus principais clássicos.

A flauta transversal é responsável pela consolidação técnica da prática da música brasileira, através do repertório específico composto por esse imenso ícone da cultura brasileira. E que ampliou a seguir no condicionamento da linguagem de tantos outros instrumentos. Como o violão, o cavaquinho, o bandolim.

Quando migrou ao saxofone, Pixinguinha consolidou uma maneira de contrapor o que realizava na flauta. Benedito Lacerda, um virtuoso do instrumento, passou a ser figura contínua das apresentações de Pixinguinha, que o contrapunha constituindo quase um alicerce do contraponto de princípio renascentista com uma beira rítmica típica do que é afro-brasileiro.

Estão nesse conjunto de contracantos quase que a totalidade de clichês melódicos que o violão de sete cordas produz, ou que os arranjadores gozam quando projetam trabalhos para agrupamentos em gêneros brasileiros. Esse conteúdo está publicado em um livro praticamente obrigatório chamado Pixinguinha em Pauta, embora na presença desse que vos fala se prefira ouvi-los e extraí-los de fonograma, as partituras do livro oferecem uma abordagem bastante precisa, que norteia o interesse do seu estudo.

E isso que não tratamos da flauta erudita, que tem composições relevantes dos principais autores brasileiros. Fica para uma segunda ampliação dessa publicação, que cresce, na medida que a pesquisa se aprofunda e o discurso interessa a mais leitores.

Seguimos produzindo para que nosso blog atenda em especial a formação de nosso país, ou dos países de língua portuguesa.

Artigo publicado em 12 de maio de 2018, revisado e ampliado em 30 de novembro de 2018.

 

SHARE
Previous articleSobre método e outras questões.
Next articleVocê sabe quais são as publicações mais lidas do Blog Souza Lima?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville, Ribeirão Preto e Lençóis Paulistas. É idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular (extensivo e semi-intensivo), do Curso Técnico em Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes atua na instituição em tarefas administrativas como assistente de direção, e ainda é diretor da editora Souza Lima. É editor e autor do BLOG Souza Lima, com mais de quinhentas publicações (BR, ES e EN). É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Composições e obras disponível no Spotify, Deezer e iTunes Music.