Abertura de Game of Thrones

A trilha de abertura de Game of Thrones é um excelente exemplo para propor fundamentos da composição musical. No desenvolvimento melódico e do bom uso das técnicas da instrumentação e organologia que propõe elementos resolutivos ilustrando a imagem.

A introdução imediatamente apresenta o ostinato. Nos primeiros oito segundos propõe-se algo que se repetirá continuamente, com variações, ao longo de toda abertura de Game of Thrones.

O primeiro tema pautado em uma corda grave protagonista, provavelmente procuraria remeter um período histórico. Mas ilustra a cidade central, mais antiga, e com um reinado corrompido.

Tecnicamente a ideia das cordas compostas com violino tocando de forma brilhante, da metade da terceira oitava para cima, ofereceria a menção imediata para algo novo. Na história da música a aplicação desse conceito organológico está para duzentos anos atrás.

O criador dos livros cuja a série interpreta propõe, que se o tempo fantasioso fosse como o nosso tempo alinhado ao nascimento de Jesus Cristo, estaria na esfera entre mil d.C e trezentos a.C.

Claro que se respeita a licença poética que todo artista possui. E apenas se privilegia aqui uma interpretação.

Repare que quando chegamos a Winterfell, a trilha curiosamente chega as cordas agudas, o que remeteria a algo mais novo, à uma essência resolutiva, um tempo de luz. A casa onde está a resolução justamente é a casa de um dos protagonistas (John Snow!, é minha aposta para o esperado desfecho da série! Nada de Daenerys Targaryen).

Na reapresentação do tema assume-se outra curiosidade para a fantasia, no uso das cordas de maneira completa. Melodia no agudo, contraposta pelo ostinato que parte da introdução, prevendo o segundo tema, que inicia em um minuto e cinco.

Repare que justamente quando se mostra o conflito com os símbolos da casa com as cordas brilhando no agudo chegamos a possível resolução provinda de Winterfell.

Curiosamente ao iniciar o segundo tema a imagem de abertura chega a muralha. Onde sabemos (perdão ao spoiller), um novo conflito virá na chegada dos mortos. E ainda conduz no segundo tema ao “além mar” de onde estava Daenerys, a outra questão conflituosa apresentada na série. Quem herda o trono afinal?

E você se pergunta: A abertura então de certo modo apresenta toda a história proveniente das oito temporadas (sete e uma que ainda está por vir)?

Sim, sintetiza. E que modo inteligente de comunicar algo. Realmente uma trilha sonora perfeita de Ramin Djawadi, germano-iraniano, formado na Berklee College of Music.

Detalhe na percussão

A percussão ocorrida desde a introdução de Game of Thrones está para a música romântica em algo que procura as expressividades marcantes, tipicamente humanas.

Uma ideia combinatória perfeita entre o retratar determinado período histórico no uso de uma melodia caminhando em graus conjuntos, e ao procurar a essência da música pós-Beethoven com os elementos expressivos que engrandecem a comunicação.

A percussão é um elemento que salta aos ouvidos imediatamente, em um momento que contrapõe para a seguir oferecer vigor em um uníssono rítmico pontual interessantíssimo.

As casas da Série vão se abrindo. Cada nação vizinha. Cada reino, como preferiria o autor.

Façam suas apostas!

Preferir enxergar na abertura a síntese pode até ser uma forma simplista. Mas como é interessante imaginar a cabeça do compositor, lendo um brifieng, e construindo com toda imaginação e conhecimento musical adquirido algo que beire o inconsciente coletivo, seja atraente e contemple a história.

A parte triste disso tudo é que a série só retorna ano que vem!

Enquanto isso vamos construir algumas análises pontuais e livres sobre outras séries, e quem sabe revisitamos GOT até lá.

Assistir os episódios novamente para falar da trilha seria realmente um prazer!

Vamos em frente com mais um aprendizado fundamental!

 

SHARE
Previous article13 coisas que todo músico deve ter
Next articleSaxofone ou Trompete?
João Marcondes
Professor João Marcondes é coordenador pedagógico das unidades Moema, Alphaville e Ribeirão Preto. Também é idealizador e coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical, cursos que ocorrem na unidade Paraíso. João Marcondes também atua na instituição em tarefas administrativas, é assistente de direção da instituição e diretor da editora Souza Lima. É autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! É educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Suas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music.